Visualizações

12 de fev de 2014

The Rose- Parte 2

O lugar secreto

Joe tentou deixar sua mente limpa, vazia, mas isso foi impossível. Precisava falar com alguém, e esse alguém deveria ser Alberto. Seu velho e melhor companheiro.
-Ei, tem alguém aí?- ele questionou, batendo na porta dos zeladores.
-Joe? Entre- o senhor pediu, com a voz calma- O que te traz aqui, menino?
-O mesmo de sempre, eu acho- ele deu de ombros.
-Ela mudou a senha novamente? Aquela menina já deve ter usado todas as combinações possíveis- disse, fazendo Joe rir.
-Não, não mudou... ainda- sorriu- Mas fizemos um trabalho juntos hoje. Sobre perguntas e respostas...
-E como foi?
-Bom...- respondeu- Descobri que ela abriria mão da popularidade por amor. Pena que ela não me ama- disse cabisbaixo.
-Não desista, meu amigo- Alberto pediu-  Você passou meses colocando flores no armário da menina e a observando constantemente. Não ponha tudo a perder agora.
-Mas eu também descobri que ela acha que é uma brincadeira. Que alguém está a fazendo de boba com essas rosas. A Demi me acha covarde por não ter dado as caras ainda.
-Como foi a conversa de vocês? Agradável?
-Sim, melhor do que eu esperava...
-Continue assim. Você está se saindo bem, eu tenho certeza.

~~~~~*~~~~*~~~~~*~~~~~

-Vou começar a achar que anda me observando- ela comentou, sentando-se ao lado dele- o que faz aqui?
-Bom, eu achei que fosse o único a conhecer esse lugar- deu de ombros- Pelo jeito, vim fazer o mesmo que você- disse ao encarar telas e pincéis que estavam dentro da bolsa grande da menina.
-Venho aqui a anos e nunca te vi- o olhou, desconfiada- Posso me sentar e pintar em conjunto?- riu brevemente.
-Claro- Joe forçou um sorriso, olhando-a pelo canto dos olhos conforme arrumava todas as diversas cores de potinhos de tinta bem na sua frente.
-Então, o que tem aí?- questionou, depois de um longo tempo.
-Sabe, eu... também venho aqui há muito tempo. Meu avô me trazia quando eu era mais novo. Eu sempre pintava a mesma paisagem, mas nunca saía igual, nem mesmo parecida. Eu... colocava o que sentia nas pinturas e elas expressavam um sentimento diferente à cada vez.
-Legal- a menina sorriu- Como eu disse, minhas pinturas não retratam paisagens... Mas também envolvem sentimentos. Às vezes a minha vontade é de jogar preto por toda a tela, e é o que eu faço. Uma vez, não sobrou um espaço sequer branco... foi engraçado o resultado- riu.
-Um dia desses eu posso te mostrar alguns dos quadros do meu avô- Joe disse- Ele era como você. Deixava que as cores falassem por ele. Guardei os quadros depois que ele faleceu...significam muito para mim, mesmo que eu passe horas tentando decifrá-las.
-Vamos fazer uma coisa?- perguntou, mais animada do que o normal- Eu pinto alguma coisa e você faz o mesmo, depois trocamos as telas. Como um presente- sugeriu.
-Tudo bem- o menino assentiu, abrindo um grande sorriso.

Duas horas depois .....
-Terminei-disse o  menino com um grande sorriso.
-Anda, me dá-disse arrancando o quadro de sua mão.
-Que menina apressada- ele disse, vendo a expressão de surpresa dela ao encarar a pintura.
-Nossa... que lindo!
-Eu sei que você deve estar um pouco cheia de rosas mas...
-Não, eu amei- afirmou- O jardim, as flores, a rosa- sorriu encantada, desejando que todas aquelas rosas que ela havia guardado ou jogado no lixo tivessem vindo dele. Doce ilusão.
-Agora a sua, deixa eu ver- exigiu- hum... algum significado por trás dessa máscara?- perguntou, bastante interessado no que ela fizera.
-Bom... eu ando pensando muito sobre o baile- deu de ombros- Quis pintar sobre isso.
-E...você já tem um par?- ele questionou receoso, fingindo indiferença.
-Já- a menina soltou rapidamente sem pensar. Sua vontade era de voltar atrás e dizer que não, não tinha par porque queria ir com ele, mas era óbvio que não faria isso. Não tinha toda essa coragem.
-Ah- ele suspirou, conformado. Era ilusão demais achar que ela, Demi Lovato, não teria um par para o baile que aconteceria daqui a alguns dias.
-E você?
-Eu acho que não vou- deu de ombros- Não estou muito pra comemorações.
-Mas é o baile da primavera! Você não pode faltar, todo mundo vai- tentou convencê-lo.
-Minha presença não vai fazer a mínima diferença, Demi- ele murmurou, certo do que dizia.
-Porque acha isso?
-Bom, eu não sei, só acho melhor ficar em casa do que ir sozinho- disse.
-Convide alguém- ela sugeriu, mesmo relutante. Ela não queria que ele fosse com ninguém além dela.
-Quem iria comigo?- perguntou, se arrependendo logo depois. Não sabia se estava pronto para ouvir a resposta da menina.
-Ah Joe- ela bufou- Já tentou, pelo menos?
-Eu tentei, até ela me dizer que já tinha acompanhante.
-Ah...- Demi calou-se, sem saber muito bem o que falar. Quem seria a tal garota?- Será que... eu posso ficar com o seu quadro?- perguntou cuidadosamente, depois de um longo silêncio.
-Sério?! Você gostou mesmo?
-Já disse que amei- sorriu tímida.
-Então claro, ele é seu- ele retribuiu o gesto.
-E bom, eu queria que ficasse com o meu- deu de ombros- Uma troca- sugeriu.
-Eu aceito.
Quando Demi começou a guardar suas coisas na mochila, os pingos de chuva começaram a cair. A não ser pelos pingos que caíam sob a lagoa, formando uma paisagem bonita, aquilo parecia um completo desastre.
-Que droga- ela resmungou- Como eu vou voltar pra casa?
-Você mora longe daqui?
-Não é perto, mas eu vim a pé-deu de ombros, ainda pensando no que faria- O que você vai fazer? Sua casa fica aqui perto?
-Não a minha... o  meu avô morava aqui em frente. A gente ainda não sabe o que fazer com a casa porque todas as pinturas dele estão lá mas...
-Olha você pode me contar a história quando a gente já estiver lá dentro?- ela perguntou tentando não parecer indelicada.
-Ah, sim- ele assentiu rapidamente- Por aqui.
Joe pegou sua tela, ou melhor, a que Demi dera a ele e correu junto a menina até o outro lado do gramado. Atravessaram a rua e depois de mais algum tempo finalmente eles chegaram a casa.
-Tô ensopada- ela reclamou, torcendo o cabelo e tirando o casaco- Posso colocar isso aqui?- ela apontou  para o sofá coberto com um pano enquanto segurava sua bolsa.
-Aham- Joe deu de ombros e virou-se, caminhando pelos outros cômodos da casa- Eu acho que não tem luz- fez uma careta.
-Ah, isso é o de menos- a menina suspirou- Você disse que as pinturas do seu avô estavam aqui? Posso ver?- perguntou, caminhando até ele.
-Claro, deve ter um pouco de poeira nelas, mas...
-Ok, vamos ignorar a minha alergia- Demi sorriu e seguiu o menino.
A casa era grande e num estilo bem rústico. Alguns móveis ainda estavam lá, e por mais antiga que a casa fosse, não parecia estar precisando de uma faxina. Talvez só o cômodo que abrigava as diversas telas. Aquele sim estava muito sujo e Demi se perguntou porquê.
-Vocês não vem muito aqui, vem?
-Muito de vez em quando- deu de ombros- Às vezes eu vou pro lago pintar e passo aqui, só pra lembrar um pouco dele.
-Deve ter sido difícil, eu sinto muito- ela sussurrou.
-Meu avô sempre dizia que não queria pensar que lamentariam a morte dele. Ele gostava de fazer as pessoas sorrirem- lembrou-se- Mas foi difícil sim.
-São lindas- ela mudou de assunto ao observar as pinturas expostas na grande sala- Ele tinha muito talento. E você herdou dele- sorriu.
Demi estava concentrada demais nas obras para ver o sorriso que surgiu no rosto de Joe. Quando ele imaginaria que isso estaria acontecendo? Se algum dia alguém dissesse que os dois conversariam normalmente sem nenhum resquício de diferença, ele apenas riria.
___________________________________________

-Será que essa chuva não vai nunca parar?- ela resmungou sentada no sofá. Já havia se passado mais de vinte minutos e nem sinal da chuva diminuir.
-O pior é que tá enchendo. Muito e muito rápido- observou pela janela. Demi arregalou os olhos e correu para o lado dele.
-E agora? É impossível sair na rua, tá parecendo um rio- comentou assustada. Nunca tinha presenciado uma situação como essa.
-Acho que o jeito é esperar- deu de ombros.
-E o pior é que tá frio- a menina cruzou os braços e implorou para que sua roupa secasse.
-É por causa das roupas molhadas- ele deu de ombros- Por que você não tira?- sugeriu.
No mesmo segundo, ela virou-se para ele com os olhos arregalados.
-E eu vou vestir o que?- indagou- Ou você acha que...
Ela parou de falar quando ele estendeu a mão que segurava uma suéter. Como ele era mais alto que ela, deveria servir  perfeitamente. A menina deu um sorriso torno como um pedido de desculpas e pegou o que a manteria aquecida.
-Ali, tem um banheiro- ele apontou para uma porta no final do corredor. Demi assentiu e caminhou rapidamente até lá.
Tirou rapidamente as roupas encharcadas, aliviada por perceber que sua lingerie não estava molhada. Suspirou e vestiu o suéter que Joe havia lhe dado, rezando pra que coubesse. No final das contas, cobria até um pouco mais acima da metade da coxa, mas não era um grande problema. Ainda assim, ela estava com frio, porque sua pele permanecia gelada.
-Eu consegui lenha pra acender a lareira- ele disse quando ela entrou na sala.
O ambiente já estava mais escuro e a luz que o fogo proporcionava era a única razão pela qual Demi conseguia enxergá-lo. Ela parou e prestou atenção em Joe como nunca fizera antes. Certo, ela sempre prestava atenção nele, muito discretamente, mas era capaz de descrevê-lo como ninguém mais saberia. Só que agora, iluminado apenas pela pouca claridade, ele estava diferente.
Seu cabelo estava bagunçado, o que dava a ele a aparência de mais desleixado e aquele toque de quem acabou de acordar e esqueceu que existe escova. A postura estava relaxada, bem diferente de todas as vezes que ela o vira. Ele sempre parecera tenso perto dela, mas não agora.
-Que bom- foi o que Demi conseguiu dizer depois de despertar do transe- Coube direitinho- ela apontou para a suéter.
-Ficou bem em você- ele comentou e ela apenas sorriu agradecida- Então, eu acho que a gente vai ter achar alguma coisa pra fazer.

Continua...
Tô meio sem tempo por causa da escola, mas tá aí outra parte ;) Amei saber que vocês estão gostando, espero que amem cada vez mais :P não vou conseguir responder aos comentários, mas muito obrigada!

Beijão,
Brubs <3 amo vocês!

19 comentários:

  1. Postaaaaa maiiis um hoje vai, posta posta posta posta posta posta

    ResponderExcluir
  2. Ahhhh posta mais hj pleaseeeeee! Haha ta perfeito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vish nem deu pra postar naquele dia :s mas hoje teeeeem :) obrigada, amor! xoxo <3

      Excluir
  3. Brigadeirinha :-D
    Que perfeito
    To amando tudoooo
    Super ansiosa *-*
    Posta logooo
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oieeeee <3 awn obrigada minha linda!! *-* beijocas <3

      Excluir
  4. Awn ameei
    Q fofo o Joe cara
    Tomara q role beijo vai rolar ner?
    To ansiosa mds aiin
    Posta ogo
    Xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. awn que bom <3 <3 hummmmmmmmmmmmm nessa parte que eu vou postar tu vai descobrir o que rola e o que não rola hahahaha beijinhos, linda!

      Excluir
  5. Posta posta posta posta *-*

    ResponderExcluir
  6. Nem preciso dizer que tá mais do que perfeita essa fic, né? Tô amando!
    Não consegui ler ontem e quase que não consigo ler hoje, tô passando mal desde segunda ;/ tô com a cabeça cheia de coisa també ):
    Maas, posta logo! Tô amando. ~Dany~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaah, eu reli de novo o capítulo, ele me lembra demais meu avô, ele faleceu faz 3 meses ): "Ele gostava de fazer as pessoas sorrirem- lembrou-se- Mas foi difícil sim." Definiu meu avô ): muito lindo mesmo esse capítulo ): ~Dany~

      Excluir
    2. Obrigada, meu amor! Poxa, melhoras :( ah sério? esse negócio de perder as pessoas próximas da gente mexe muito comigo :/ bom, mas fico feliz que tenha gostado e de qualquer forma, seu avô quer te ver sorrindo, lembra disso ;) beijinhos <3 <3

      Excluir

Vamos comentar?!?!..... SIM! :3