Visualizações

17 de dez de 2013

Capítulo 11

Joe on:
Depois de sair da casa da Demi ontem, eu resolvi ligar para Jake e ver se a festinha ainda estava rolando. Eu sei que não deveria ter feito isso, mas sinceramente, não existia problema algum. Eu fiquei lá até bem tarde e nem sei como consegui acordar hoje. Não aconteceu nada entre eu e a prima dele, até porque eu não estava a fim de trair minha namorada. Definitivamente não foi com esse propósito que eu decidi ir a casa dele. Eu só queria me divertir e não pensar muito sobre Demi. Não que eu tenha ficado com raiva, mas aquilo já estava me chateando.
Quando eu cheguei no colégio (atrasado) não vi Demi e preferi não procurar por ela. A gente não ia ter tempo pra conversar, até porque eu ia sair depois de 3 tempos, e o clima ficaria péssimo. Eu simplesmente não tava com vontade nenhuma de brigar ou ficar chateado. Eu ia deixar isso pra depois.

Demi on:
Por um lado, foi até bom não encontrar Joe na entrada. Eu queria conversar com ele normalmente, como se nada tivesse acontecido, mas esse não era o certo a fazer. Quando a gente começa a fingir que nada aconteceu, quando a gente engole as histórias e mágoas, tudo isso se junta e acaba virando uma bola de neve. Daí, a bola fica cada vez maior e no final tudo desmorona. Eu não queria que isso acontecesse.
-Jake, onde tá o Joe?- eu perguntei, interrompendo a conversa dos garotos.
-Nem sei, Demi, não vejo ele desde que ele saiu lá de casa- deu de ombros.
-Ele foi na sua casa ontem?- perguntei surpresa.
-Sim... ele disse que tava vindo da sua casa e resolveu dar uma passada. Mas eu não quero causar problemas, antes que você pense alguma coisa, não rolou nada entre ele e a minha prima. O Joe manteve distância o tempo todo- esclareceu.
-Não, tudo bem- eu forcei um sorriso- Será que ele não veio hoje?- questionei mais para mim mesma, olhando ao redor.
-O Joe?- David perguntou chegando por trás de mim. Eu assenti e ele se sentou na mesa- Ele foi levar a Hannah no  hospital. Parece que ela ia tirar o gesso hoje.
-Vocês tão cheios de notícias boas pra mim hoje, né?- murmurei suspirando.
-Ah, agora vem uma ótima- ele sorriu- Joe pediu pra te avisar que passa na sua casa às 9h, pro jantar- disse.
-Ok, valeu- forcei um sorriso. É claro que eu não iria nesse jantar se a gente não se resolvesse até lá. Não queria ficar sentada ao lado dele, ou fingindo que estava tudo maravilhoso ou ignorando um ao outro.
E nesse momento eu quis voltar para casa, sentar na cama e ficar parada encarando a parede até que ele aparecesse. Talvez essa coisa de tirar o gesso demorasse, nunca se sabe, e eu não sabia que horas ele voltaria. Já eram quase 4h da tarde e eu só seria liberada daqui a meia hora. Enquanto isso, eu podia ir pensando em como falar com ele, como explicar meus motivos. Até porque era isso que eu precisava fazer. Naquele momento me bateu uma agonia terrível, um sentimento que me machucava e que eu não sentia há muito tempo. O medo de perdê-lo estava me invadindo por completo.
Eu não parei de pensar em Joe com Hannah e a tal prima do Jake. E se ele tivesse ido à festa só porque estava chateado comigo? Eu não podia deixar que esses pensamentos entrassem na minha cabeça, mas era tarde demais. Eu já estava pensando em como ele podia me trocar de uma hora para a outra.  Não era o meu melhor pensamento, até porque, se eu acreditasse no amor dele, não estaria desconfiando. Mas o que eu fiz com certeza irrita qualquer um.
Quando eu fui para casa, meus olhos estavam marejados. Assim ficaram durante todo o caminho, até que eu finalmente fiz o que queria (sentei na cama abraçando as pernas e encarei as paredes) e deixei as lágrimas caírem. Eu estava com ódio de mim mesma agora. Eu não podia ter estragado tudo.

Joe on:
Eu estava voltando com Hannah, ela já havia tirado aquele negócio do pé e eu estava prestes a sair do hospital quando meu celular tocou. Quando vi que era Demi, respirei fundo algumas vezes antes de atender. O telefone tocou algumas vezes enquanto eu encarava a tela e Hannah perguntou se eu não ia atender. Eu não queria tratar Demi como se estivesse indiferente a ela ou ao que aconteceu, ela devia ter seus motivos. Eu só queria saber quais eram.
-Oi, Demi- eu disse normalmente.
-Oi- a voz dela saiu baixa- Você tá em casa?- perguntou.
-Não, eu tô saindo do hospital- respondi- Por quê?
-Quando você chegar pode passar aqui?- perguntou um pouco relutante.
-Aconteceu alguma coisa?- eu perguntei por precaução. A voz dela não estava normal.
-Eu só queria conversar com você- ela disse.
-O David te disse que eu ia passar aí 9h?- perguntei.
-Aham, mas eu queria falar com você antes disso.
-Eu já tô chegando, só vou deixar a Hannah em casa e vou aí- disse.
-Tá bem- ela sussurrou. Esperei que ela dissesse mais alguma coisa, do tipo “tchau” ou “beijos”, qualquer sinal de que ia desligar, mas ela parecia não saber o que falar.
-Mais alguma coisa?- perguntei divertido. Não valia a pena deixar o clima assim.
-Não, eu...- ela respondeu rapidamente, como se tivesse acordado de um transe- A gente se fala daqui a pouco, beijo- disse.
-Beijo, meu amor- eu disse sorrindo comigo mesmo.
Eu sabia que devia estar sendo difícil pra ela. Ontem eu saí deixando a entender que não tinha ficado contente com a situação. Hoje eu não havia falado com ela, e o Jake tinha me ligado há pouco tempo, dizendo que comentou com ela que eu tinha ido a casa dele ontem e que ela sabia que eu tinha levado Hannah pra tirar o gesso. Não que eu me importasse com isso, com o fato de ela saber, mas do jeito que as coisas estavam entre nós, qualquer detalhe podia se tornar uma bomba de uma hora para a outra.
Depois que eu deixei Hannah, fui andando até a casa da Demi. A moça que trabalhava lá me recebeu com simpatia (eu simplesmente amava a dona Clotilde) e eu subi a escada, indo até o quarto dela. Bati umas duas vezes e ela abriu a porta.
-Entra- ela disse, dando espaço pra que eu passasse. Se ela olhou nos meus olhos durante 2 segundos, foi muito.
Eu esperei que ela fechasse a porta e se sentasse na cama para fazer o mesmo. Estávamos um de frente para o outro, com a diferença de que ela estava mais encolhida do que eu e abraçando as pernas. Seus olhos não estavam vermelhos, mas eu podia afirmar que ela tinha chorado em algum momento.
-Eu preciso te explicar... isso tudo- ela começou, cruzando as pernas, mas ainda com as mãos juntas.
-Demi- eu chamei, fazendo-a me olhar- Eu não saí daqui ontem com a intenção de terminar o nosso namoro- eu deixei bem claro.
-De qualquer jeito, você merece saber- abriu um sorriso triste.
-Porque você quer me contar isso agora?
-Porque...- ela respirou fundo, fechando os olhos com força antes de levantar a cabeça novamente. Agora, eles estavam marejados e sua boca entreaberta mostrava que ela estava procurando um jeito de me falar o que quer que fosse- Eu tô com medo de te perder- sussurrou.
Eu a encarei por algum tempo e levei uma de minhas mãos até o seu rosto, acariciando-o de leve.
-Você não vai me perder- garanti, me aproximando- Não é porque eu fui na casa do Jake ou levei a Hannah pra tirar o gesso que o que eu sinto por você vai diminuir. Não é porque a gente não transa desde o começo do namoro que eu não te amo.
-Não é justo eu querer que você entenda uma coisa que eu não tentei te explicar- disse- E quando você saiu daqui ontem eu achei que pudesse ter estragado tudo.
-Olha pra mim- eu pedi- Eu já te disse uma vez que não me incomoda quando você diz que não quer.
-Mas você quer saber os meus motivos.
-É o mínimo, Demi- eu disse sincero.
-Eu sei, eu fui muito idiota. Eu não quis transar com você desde que a gente começou a namorar porque eu precisava ter certeza de que... você tava comigo porque me amava e não por causa de sexo- sua voz foi diminuindo aos poucos.
-Eu achei que você tivesse outro motivo que não fosse desconfiar do que eu sinto.
-Me deixa explicar, eu não te disse meus motivos ainda- eu assenti e ela respirou fundo antes de continuar- Tem bastante coisa sobre mim que quase ninguém sabe. E essa é uma delas. Ano passado, quando eu ainda morava com os meus pais, quando eles ainda não tinham se divorciado, eu comecei a namorar um menino do colégio. E ele era muito parecido com você nesse sentido de dormir com todas. Mas eu me apaixonei e eu acabei tendo a minha primeira vez com ele muito pouco depois que ele me pediu em namoro.
-E ele te pediu em namoro só pra transar com você?- eu sugeri, prestando muita atenção ao que ela dizia.
-Previsível né?- sorriu tristemente- Devia ter sido previsível pra mim também mas eu acreditei que ele tinha mudado. Eu era bem diferente do que eu sou agora. Eu me entreguei a ele e eu acabei deixando de lado todo o resto, toda a minha consciência de que aquilo não estava certo. Depois disso ele terminou comigo, foi tipo uma aposta com os amigos, sei lá, não me importava no momento. Eu era certinha e no meu canto então ele precisava me fazer confiar nele pra conseguir o que queria. Eu fiquei muito mal, mesmo, e acabou coincidindo com o divórcio dos meus pais. O meu coração quebrou em mil pedaços. Eu me mudei no meio do ano pra cá, que foi quando eu entrei no colégio e te conheci. Mas eu não era a mesma pessoa, porque eu jurei que não ia cometer o mesmo erro. Eu criei uma barreira no meu coração e eu não deixei ninguém derrubar, mesmo que o meu coração ainda estivesse quebrado. Não porque eu ainda amo ele, longe disso, eu tenho nojo daquele idiota, mas porque eu não achei ninguém que pudesse concertar isso. Até eu começar a gostar muito mais do que deveria de você.
-Mas você sabia que era só sexo e você não se afastou de mim- eu lembrei.
-Eu tentei. Muitas vezes eu só queria chegar e te dizer que eu não tava mais a fim de seguir com aquilo. Só que eu não consegui, porque eu cometi o erro de me apegar a você, e de todos, você era o único que era meu amigo. Então eu não queria me afastar de alguém que me fazia bem. Eu fiquei muito...mal por quem eu me tornei. Depois de tudo isso, eu parei de acreditar que podia existir amor mesmo, sabe? Não que passasse pela minha cabeça que as pessoas só faziam sexo e não amor, mas...
-Mas quando se tratava de você, era o que parecia- completei, vendo-a assentir.
-Eu ainda queria me apaixonar, viver outras histórias de amor, mas com esse medo de me magoar, de ser usada, isso se tornou um pouco impossível. Então eu comecei a transar com um, com outro, só por... nada. Simplesmente nada. Não fiz isso porque eu gostava ou desejava já não tava mais tendo sentido nenhum pra mim. Por isso eu parei. Só que a minha fama ainda tava lá, você ainda tava na minha vida e isso eu não podia mudar.
-Você queria mudar?
-Não queria que você saísse da minha vida. Mas eu sentia que tava bem perto de me apaixonar por alguém que não sentiria o mesmo por mim, porque a nossa relação era baseada em sexo. Eu sei que você sempre foi mais do que isso, você mostrava que se importava comigo e nenhum outro se importava se eu tava pelo menos viva. O meu nome só circulava na boca deles quando se tratava de besteiras. Só que nesse momento eu senti que tava prestes a viver tudo aquilo de novo e eu não aguentaria. Eu queria alguém que me amasse de verdade, eu nunca tive alguém que fez amor comigo, Joe, e eu tenho nojo de mim hoje por causa disso.
-Se tivesse acontecido alguma coisa entre a gente desde que o nosso namoro começou, você ia ter tido alguém pra fazer muito mais do que sexo com você- eu disse e ela me encarou com uma expressão fofa.
-Na verdade... eu nunca devia ter duvidado de você. É que... quando a gente começou a ficar normalmente, não só numa cama, eu já queria acabar com tudo. Só que todo dia acontecia alguma coisa, ou você me beijava ou só me abraçava mesmo e eu me via numa sinuca de bico, porque eu não sabia o que fazer. E naquele dia da festa, quando eu fui embora, foi porque eu fiquei magoada com você, eu achei que naquele momento você tivesse deixado bem claro que ficar comigo ia muito além do que você realmente queria. Você lembra que eu te disse que precisava conversar com você, no dia em que me pediu em namoro?
-Você ia acabar com aquilo- conclui.
-Bom, eu tentei. E eu realmente ia, eu tava disposta a te perder se fosse preciso, porque pra mim não tava mais dando. Até porque eu encontrei com esse garoto quando eu fui visitar o meu pai e isso me fez pensar em mil e uma coisas. E aí, quando eu finalmente consigo juntar coragem, você vai e me pede em namoro. Você fez o que eu nunca pensei que fosse acontecer. Você disse que tinha se apaixonado por mim. Tem noção de como isso pareceu loucura?
-Não tanta, Demi, eu realmente gostava de você há bastante tempo- dei de ombros- Só que eu tava... confortável com você do meu lado, porque eu sentia que te tinha. E claro, te incomodou por causa de tudo isso que aconteceu, mas não me incomodava. O que não queria dizer que eu não me importava com você. Ou que eu só queria sexo. E quando caiu a ficha de que eu tava mesmo te perdendo, eu percebi que daquele jeito não tava funcionando.
-E não pareceu estranho você me pedir em namoro logo quando eu tava determinada a acabar com tudo?- perguntou- Não parece pra você, porque você não tinha ideia do que se passava na minha cabeça. Mas pra mim foi como se eu juntasse as peças de um quebra cabeça.
-Mesmo assim você aceitou e desistiu de me dizer isso tudo naquele dia- eu comentei.
-Porque eu te amo. E eu não consegui não deixar isso falar mais alto. Eu juro que tentei- disse balançando a cabeça lentamente- Só que mesmo com isso tudo, eu desconfiei de você. E me desculpa- pediu- Eu... sou muito mais frágil do que você ou qualquer pessoa imagina. Eu senti muito medo de sofrer. De ter que catar cada pedacinho do meu coração de novo, sendo que eu não consegui fazer isso até hoje.
-Eu entendo tudo isso, Demi- eu disse carinhosamente- Mas você tem que acreditar quando eu digo que te amo.
-Eu acredito. Eu sempre acreditei, só que esse maldito escudo que anda comigo não me deixou pensar isso. Era como se o meu coração soubesse que era verdade, mas a minha cabeça estivesse a mil por hora.
-E isso mudou? Ou ainda é só o seu coração que percebe isso?
-Mudou. Eu não tô mentindo quando digo que confio em você como eu nunca confiei em ninguém. E eu ainda tenho medo disso, mas não porque eu ache que vai me magoar.
-Porque você não consegue pensar que confia em alguém sem pensar que a barreira que você construiu tá sendo destruída, não é?- acariciei seu rosto. Ela assentiu.
-Você acredita em mim?- perguntou- Eu sei que eu te dei motivos pro contrário, mas...
-Eu acredito- sussurrei com meus olhos fixos nos dela- Mas eu acredito porque eu sinto que me contando tudo isso, você me deu a maior prova de que confia em mim.
Ela sorriu e abaixou a cabeça. Engraçado como agora ela parecia envergonhada e muito frágil. A minha vontade era de abraçá-la e nunca mais soltar. Segurei seu queixo e levantei seu rosto, até que ficasse na mesma direção do meu.
Me aproximei cada vez mais até que ela segurou minha nuca com delicadeza e nossos lábios se juntaram calmamente. Um beijo lento começou e assim permaneceu por bastante tempo. Apaixonadamente, nos beijávamos sem pressa alguma. Eu só queria mostrar pra ela que estava segura comigo e que eu realmente a amava. Eu queria tirar aquela fragilidade dela de algum jeito.
Separamos o beijo quando nos faltava ar. Nossas respirações estavam ofegantes e se confundiam devido à proximidade de nossos rostos. Ela me encarou com seus olhos brilhantes e castanhos e eu quase me perdi neles. Só não o fiz porque logo ela os desviou. E eu estava entendendo o porquê daquilo.
Agora, depois que ela me contou tudo isso, significava que ela não tinha mais motivos para me parar caso eu tentasse alguma coisa (mas eu não o faria). Então quer dizer que podíamos transar agora mesmo, recuperar o tempo perdido, a vontade, o desejo. Mas de alguma forma isso a incomodava ainda. E eu entendia que depois de abrir seu coração, ela não ficaria feliz se terminasse em sexo.
Eu me apoiei na cama, depois de me afastar dela, e me sentei no meio. Segurei sua mão e ela veio para o meu colo com tranquilidade. Coloquei meus braços ao redor de seu corpo e colei meu rosto ao dela, beijando seu pescoço delicadamente.
-Eu posso te dar a primeira vez que você não teve- sussurrei em seu ouvido, apertando mais minhas mãos contra as dela- Você só tem que querer- completei. Eu senti que Demi ficou tensa de repente, mas logo relaxou e abriu um lindo sorriso.
-Por acaso eu tenho algum motivo pra não querer?- perguntou baixinho, deitando a cabeça em meu peito.
Eu apenas sorri e beijei sua bochecha. Demi me encarou, virando a cabeça na minha direção, e sorriu também. Ela juntou seus lábios nos meus, com muita delicadeza.
-Só não vai ser agora- eu disse- Tem que rolar todo um clima especial- brinquei. A verdade é que agora eu queria só ficar ali com ela, mais nada.
Ela riu e me abraçou com força.
-Eu te amo- abracei-a de volta, acariciando seus cabelos.
Continua...
eeeeee tudo esclarecido eeeeee hot tá vindo eeeeeee
capítulo grande eeeeee ok isso tá meio retardado  :x
Comentem, ok, meus amores? :) 
Amo vocês,
milhões de beijocas
Brubs <3

comentários respondidos> aqui

8 comentários:

  1. Aaaain meu heart, ele nao aguenta tanta fofura! pq o joe é tão perfeito? Tardinha da Demi! Ela não merecia! :( pelo menos agora ela tem alguém q a ame de verdade.. Muito bom esse capítulo assim como o anterior os melhores, na minha opinião, comentei pq não deu, desculpa vbjjggjbbh fic perfeita *-*
    By: lívia lovato

    ResponderExcluir
  2. eeeeeeeeh capitulo enorme amo <3 MEU DEUS que fofura romantica foi essa to apaixonada que bom que ficou tudo bem entre eles até agora já que esses dois vivem brigando ainda sinto briga chegando mas tudo bem skjdksl hmmm hot em breve eeeeh de novo sjdh ah, bru(posso chamar assim?) sjd se vc ainda tiver colocando users pra avisar quando sai capitulo novo coloca o meu user por favor aqui é a @fcksjonato

    ResponderExcluir
  3. AHHH AMEEI <3
    Tadinha da Dem.. :( mdss eu quero o.Joe pra mim
    Perfeitto.. *-*
    Hot uhuul ameei
    Posta Logo
    Xoxo

    ResponderExcluir
  4. capítulo mais fofo da história, joe fofo, meigo e lindo*u*
    minha vó me deixa indignada porque ela só fala dos garotos que passam na tv, em como são "hots", em academia e em como o personal trainer é bonito, fico com vergonha por ela ter 73 anos e ir todos os dias na academia e eu com 17 nem ando de bike ;/
    poste logo! ~dany~

    ResponderExcluir
  5. DESCULPAAAAAA!
    eu sempre faltando aqui com vc né? :(
    mas é que tava tentando salvar meu semestre sabe? :x
    enfim, tá perfeitoooooooooo!
    sério, como vc consegue fazer tudo ficar tão lindo e fofo assim???
    tô apaixonada!
    posta logo, minha lindaaaa!
    amo vc!
    beijoooos! :***

    ResponderExcluir
  6. Aí que fofosss
    Finalmente se acertaram <3 <3 <3
    To amando a fic
    Posta logoo minha brigadeirinha <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Gente... Pq tão fofo?
    Ta lindo, ainda bem que eles se acertaram (:
    Agr espero o hot kkk
    Bjs, posta logo

    ResponderExcluir

Vamos comentar?!?!..... SIM! :3