Visualizações

24 de abr de 2013

Capítulo Quatro!


Estúpida, grossa, sem coração.

-Vai sair?- ela perguntou, vendo-o com o celular e as chaves na mão.
O menino vestia uma camisa polo preta, não muito justa, e uma calça jeans escura. Seu cabelo estava bagunçado como sempre e o delicioso perfume invadia tudo no apartamento. inclusive Demi.
-Tenho um...encontro- deu de ombros- Eu volto tarde- avisou- Não me espere.
-Eu não iria fazer isso- respondeu, como se fosse algo óbvio. E era.
-Você vai sair ou fazer alguma coisa?- perguntou distraidamente.
-Às 23:30? O que eu posso fazer a essa hora?
-Errado. Em um sábado à noite- ele disse- Pelo que eu sei, suas aulas começam segunda. Deveria aproveitar. Boate, quem sabe.
-Não curto- revirou os olhos- Vem cá, como sabe sobre os meus estudos?
-Jogo basquete na sua faculdade- ele explicou- Seremos colegas, não é legal?- sorriu cínico.
-Que maravilha!!- fingiu empolgação- Será que nem lá eu vou ter paz?- murmurou para si mesma.
-Vou indo. Não deixe ninguém entrar, ouviu?- ele disse e ela assentiu- Qualquer coisa me liga.
-Não tenho seu celular- lembrou.
Ele mexeu no aparelho em suas mãos e em segundos o celular dela começou a tocar em algum lugar distante.
-É só salvar lá- deu de ombros, pronto para sair.
-Espera! Como tem meu número?
-Caty me passou, caso acontecesse alguma coisa.
-O que mais ela fez que eu não sei?
-Nada...ela só me contou algumas...histórias comprometedoras- sorriu maliciosamente.
-Hã?- ela questionou, espantada.
-Ei, calma, era brincadeira- o menino riu- Porque? Existe alguma?
-Não, claro que não- desconversou- Anda, vai logo antes que perca seu encontro- o empurrou para fora com agilidade.
Joe apenas riu, ainda curioso, mas preferiu ignorar isso. Nunca que conseguiria ter uma conversa com ela onde lhe contasse alguma coisa sobre sua vida. O pouco que ele sabia era devido à Caty, porém já era suficiente. O que importava agora era a menina que o esperava em um restaurante ali perto. Era uma qualquer que ele conheceu a um tempo, em uma festa. Não renderia nada demais além de uma boa noite, coisa que ele estava precisando.
Desde que Demi se mudara, (que tinha o que? 2 dias?) ele não tinha muita paz. Nunca pensara que morando em seu próprio apartamento, sozinho, teria que, um dia, aguentar tamanha chatice. Ela era linda, era gostosa demais, porém o odiava. Se não fosse esse pequeno e grande detalhe, se a menina fosse apenas difícil de se conviver, ele não teria tanto trabalho, não precisaria nem sair de casa para ter o que queria.
Avistou-a sentada em uma cadeira, com um vestido curtíssimo e aquele sorriso provocante em sua direção. Sorriu consigo mesmo e caminhou, sentando-se ao lado dela.

~~~*~~~*~~~*~~~*~~~*~~~

-Ai, Milla, ele demora mesmo assim sempre?- ela bufou entediada- Que coisa mais chata!
Algumas horas já haviam se passado desde que Joe saira e aquilo estava ficando irritante. Ela não tinha nada a ver com o encontro dele e mal se importava com isso, porém quando estavam os dois naquele apartamento, ela se sentia menos só. Mesmo que não se falassem quase, brigar com ele já lhe dava o prazer de estar com alguém.
Tentou ver filmes, comeu tudo que encontrou pela frente e brincou com Milla, como se a linda cadela pudesse a ouvir e responder à suas perguntas. Quando seus olhos estavam quase se fechando, ela ouviu algumas risadas e passos no corredor. E ela sabia muito bem de quem eram. Lembrava-se claramente das gargalhadas ontem. Lembrava-se dele rindo e essa cena se repetia em sua cabeça agora. A outra voz era de alguma mulher...e estavam cada vez mais próximos. Quando ouviu a chave na fechadura, ela correu para seu quarto.
-Shii- ele calou-a com outro beijo, em meio aos risos. A menina tirou sua blusa com rapidez e ele tratou de fazer o mesmo com a dela. Os beijos intensos começaram.
Demi observava tudo de um ponto seguro, de cima da escada. Primeiro a expressão em seu rosto era de nojo. Ela não queria ver aquilo acontecer. Depois...ela sentiu coisas que não conseguia identificar. Aquela cena trazia lembranças à ela.
Joe e a menina se envolviam cada vez mais e pareciam mais dois desesperados. E claro, a raiva e a vingança começavam a voltar com tudo na cabeça da menina. A brincadeira dele havia sido muito sem graça, mas o troco que ela daria não seria nada demais. Joe conseguiria qualquer uma com um piscar dos olhos, não seria difícil substituir essa.
-Ai- ela gritou um pouco alto demais, propositalmente, é claro.
Demi se jogou escada abaixo, fazendo também mais barulho do que o necessário. Precisava se certificar de que ele realmente ouviria. Ela sempre adorara pregar peças em seus pais quando menor, e essa era beeeem velha.
-Demi?- ele chamou, partindo o beijo ofegante.
-Hã? Quem é Demi?- a garota de lábios vermelhos e carnudos perguntou, puxando-o de volta.
Se afastou rapidamente dela, que fez uma cara confusa. Ele olhou em direção à escada e viu Demi lá, deitada no final da mesma. Seus olhos se arregalaram e seu coração quase saiu para fora. A garota que antes estava quase sem roupa nenhuma, já se vestia, revirando os olhos.
-Depois a gente se fala, Hannah- ele sussurrou e correu para perto de Demi.
-O que deu em você?- perguntou, irritada. Hannah murmurou alguma palavra bem feia e bateu a porta do apartamento com tudo.
-Ei, Demi- chamou preocupado, agachando ao lado dela.
Ouviu apenas gargalhadas e mais gargalhadas em seguida. Demi abriu os olhos e se contorceu de tanto rir, assim como ela fizera com ela.
-Acho que atrapalhei seu encontro, não é?- perguntou cínica- Me desculpe!- riu novamente- Não era a intenção- fingiu-se inocente.
-Eu não acredito nisso- ele sussurrou, incrédulo. Como ela fora capaz disso?- Eu achei que tivesse acontecido algo sério.
-Estou melhor do que nunca. Jura que não conhecia essa pegadinha?
-Pegadinha ou não, isso é sério- murmurou- O que pensa que está fazendo, hein?
-Me divertindo, da mesma maneira que você fez- respondeu simplesmente.
-Eu não brinquei com nada sério.
-Brincou com a minha vida- ela disse.
-Você é realmente muito estúpida- Joe esbravejou, de forma que ela nunca tinha visto- Sabe porque é impossível gostar de você? Porque você é uma criança sem limites, você é mal educada e arrogante. Não sabe retribuir o que fazem por você.
-Você não tem o direito de falar assim comigo- ela disse, com a voz mais fraca e um pouco contida.
Joe se levantou, passando a mão no cabelo. Aquele corpo era de enlouquecer qualquer um, ainda mais Demi, que nunca tinha o visto sem camisa e agora ele ainda estava em uma posição comprometedora. Mas nada disso importava agora. A menina se encolheu um pouco, observando-o bufando raivoso.
-Eu falo o que eu quiser, porque esse apartamento é meu- gritou- E ah, você não me agradeceu uma única vez por deixar ficar aqui, mas eu não liguei. Eu te aguentei por causa da Caty, que é minha amiga. Se eu não a amasse demais, não deixaria que ficasse aqui mais um único dia. Você consegue ser pior que insuportável! Eu não me importo que alguém more comigo, mas você é o tipo de pessoa que tira a paciência de qualquer um. Isso não é só dificuldade para conviver, você é mal agradecida e...
-Você é um idiota- ela resmungou.
-Ah, eu?- questionou rindo ironicamente- Se existe algum idiota aqui, é você! Eu ouvi desaforos, deixei que fosse grossa comigo e mesmo assim você tacou mil pedras. Eu me preocupo com você, me importo e não sei porque eu faço isso. Você não merece ninguém que goste de você, não merece amor nem um pingo sequer de compaixão.
-Isso tudo é porque eu estraguei seu encontro?
-Não, o encontro é o que menos me importa agora- berrou- Você não entende, não é? Não pode simplesmente falar o que quiser na hora que desejar. Eu fiquei preocupado com você, achei que tivesse acontecido alguma coisa. Tem ideia do que você fez? VOCÊ brincou com a sua vida. E se quer saber, isso não é uma brincadeirinha, Demi.
-Porque ainda se importa?- respirou fundo, mantendo seus braços ao redor de seu corpo.
-Porque eu tenho um coração, coisa que eu não sei se você tem- respondeu- Quer saber? Se você continuar assim, vai morrer sozinha. Porque ninguém aguenta uma menina tão irritante e grossa. Tão hipócrita. É isso que você é. E quer saber, eu não sei como a Caty é amiga de alguém como você. Sabe o que mais eu acho? Que nem os seus pais te aguentam mais.
Ele estava irritado e gritava como nunca. Não achava que poderia, algum dia, perder a paciência como daquela forma que acontecia agora. As tentativas de manter a calma eram irrelevantes, sem função alguma.
-Não tenho a obrigação de ouvir você falando assim de mim- sussurrou. Sua voz estava falhando e seus olhos apertados. Assim como seu coração.
-O que foi? Não aguenta ouvir umas verdades?- perguntou sarcástico- Você é uma filhinha de mamãe, uma patricinha. A última coisa que eu deveria ter feito era deixar que morasse aqui. Mas eu decidi te dar uma segunda chance depois daquele dia do café. Depois eu te dei uma terceira, quarta, quinta. Mas chega! Você é insuportével, não é possível que exista alguém que ame uma patricinha como você. Você é fútil e ignorante. Aprenda a tratar bem as pessoas se quiser receber o mesmo.
-Eu te odeio- ela disse entre os dentes. Seus olhos já estavam marejados, mas durante anos ela prendeu o choro por necessidade.
-Ó, falou uma novidade agora- deu de ombros- É a única coisa que tem para me dizer? Você está vendo onde eu quero chegar? Você só sabe falar isso, só sabe odiar todos ao seu redor. Você ama apenas a si mesma e adivinha? Sinto muito lhe dizer que a vida não é assim. Aprenda a odiar por algum motivo, ou melhor, aprenda a não odiar. Eu não sou do tipo que fala assim com as pessoas, mas você não merece carinho. Não merece quem te faça bem ou quem te ame.
Então ele passou por ela, que permanecia no chão, encolhida, e seguiu para o seu quarto. Bufou irritado por ter falado tamanhas coisas, bufou pela situação. Não achava que fizera certo, mas iria enlouquecer se não colocasse um limite ali. Ela precisava ouvir algumas vezes. Tomou um banho, na tentativa de se acalmar. Acalmar todo o seu corpo, sua mente. Não era bom pensar durante muito tempo, pois sabia que iria pedir desculpas a ela logo logo. Só que dessa vez, ela não merecia. Ela nunca merecera nem um pingo de pena vindo dele.
Demi correu para seu quarto depois de alguns minutos, segura de que não esbarraria com ele pelo corredor. Trancou-se e quando viu, seus olhos já estavam completamente úmidos e o travesseiro encharcado. Nunca se lembrara de chorar tanto assim, nunca algumas poucas palavras tiveram tanto efeito sobre ela. Mas daquela vez, ela ouviu tudo o que sempre dissera para si mesma. Porém dessa vez, as palavras vieram da boca de outra pessoa. Alguém que não a conhecia, porém tirara belas conclusões em poucos dias.
Ela sabia que ouvira verdades, mas não, não eram assim tão verdadeiras. Ela podia estar sendo estúpida, grossa, tudo bem. Mas o que mais doeu foi ouvir tudo o que ele lhe dissera sobre amor. Ela não merecia mesmo alguém que a amasse, alguém que lhe desse carinho e paixão. Ela nunca tivera alguém assim, ou não completamente. E quando achava que havia encontrado quem a confortasse, essa pessoa jogara tudo por água abaixo. Acabara com as esperanças de que, para ela, existiria amor de verdade.
Então era isso. Sozinha ali, sozinha no mundo. Ela não era boa o suficiente para o amor. Caty deveria realmente encontrar alguém melhor. Alguém que ainda tivesse um coração. Porque o dela fora quebrado há algum tempo.

Continua...

Ok... capítulo triste, deu mesmo pena da Dems mas ela precisava ouvir umas verdades, certo? Quem sabe agora as coisas não melhoram... :)
Comentem muito, ok? Eu estou fazendo o meu máximo pra conseguir escrever rápido \o

Beijinhos,
Brubs <3


10 comentários:

  1. e verdade....a demi merecia umas palavras,mais acho que o joe exagerou um pouco....
    tá perfeito !!!!
    posta quando puder...
    beijos linda !!!

    ResponderExcluir
  2. cara...juro que chorei aqui!:((
    tudo bem que a Demi aprontou e tals(pode-se dizer que ela ta pior que a Demi da minha fic!kkkk) mas como vc mesm disse em um trecho desse capítulo,eles nunca tiveram uma conversa na qual a Demi contasse algo sobre a vida dela,e eu acho que é isso o que tá faltando:diálogo!
    posta logooo
    amei *-*
    beijos

    ResponderExcluir
  3. NAO CREIOOOOO O.O Nao acredito q ele falou isso pra ela !!!!!!! Mas enfim ... posta logo pq eu quero aaber se ela vai ficar MUUUITO mal ou se ela so vai ficar deprimida kkkkk POSTAAAA .... te amo <3

    ResponderExcluir
  4. Nooooooooossa!! Que capitulo hein?! FODA! Mesmo sendo triste! Eu fiquei tipo :O com as coisas que o Joe falou pra Demi...
    Como a Thalya Santos disse, oq ta faltando é diálogo entre eles!
    Quanto que vai ter Jemi? *--*
    Beijos, diva <3

    ResponderExcluir
  5. AMEIII!!! Ta perfeito e ela precisava ouvir umas verdades, mas ele pegou um pouco pesado. Posta logo. Bjs !

    ResponderExcluir
  6. TA MT BOA A FIC !!!!!!!! Obs: vc poderia divulgar? http://storiesdiley.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro essa fic. <3
    kraca... Joe jogou a demi no chão e pisou em cima. tão certo que ela não é fácil, mais precisava pisar tanto?
    Tão complicado pra eles se entenderem...

    Postaaa maissss pleaseee

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Ahhh .. Cara , a demi mereceu, ela pode ter sofrido o q for mas ela ñ pode agir assim com niguém... E o joe desde sempre tentoi ser educado e trata-la bem.

    Poooosta logoo

    ResponderExcluir
  10. Ela realmente mereceu, quem sabe assim as coisas melhorem um pouco entre eles... Estou torcendo para isso acontecer! Posta logo, beijo. <3

    ResponderExcluir

Vamos comentar?!?!..... SIM! :3