Visualizações

13 de fev de 2013

Mini-fic: Sober (parte 1)


(I don't own anything in this pic)


(conteúdo hot, lê quem quer)

"I was just a drink..."
-Trouxe para você- ele lhe estendeu a mão, que segurava o copo com o conteúdo não identificado.
-Obrigada, mas... o que é isso?- questionou, curiosa. Apenas por curiosidade mesmo, pois a bebida já ardia em sua boca- É refrescante- comentou.
-Você vai estranhar no começo- ele disse- Mas logo esse ardido passa- comentou vendo a expressão de desgosto no rosto dela.
-Festa boa, não?- sorriu, levando o copo a boca novamente- Onde eu acho mais disso?
-Fiquei a vontade- o menino disse, apontando para a mesa, que continha muitas opções- Essa festa será ainda melhor com você, Demi...- riu.
Trace nunca fora muito confiável. Na verdade, ele era o “errado” do grupo, da escola e daquela festa. Era a pessoa errada para entrar na vida de Demi. Mas ela não ligava. Procurava perigo ultimamente, desde que... perdera o juízo. Traduzindo, essa noite, nessa festa. Aquele papo de “nunca aceite o que te dão” não colava no momento.
A menina serviu-se novamente, adorando aquilo. A sensação era ótima e ela se sentia disposta, uma nova pessoa, com novas vontades e desejos. Queria aproveitar a festa como se fosse a última de sua vida, mesmo que se arrependesse depois. Claro que essa conclusão viera depois de mais alguns grandes goles.
-Vamos curtir a noite, Demi- ela riu consigo mesma, levando os braços para o alto com o copo nas mãos, mexendo-se ao ritmo da música.
Avistou Joe no outro lado da pista, conversando com algumas pessoas. Lembrava-se de como sempre o achara lindo e maravilhoso, aquela pessoa perfeita. A menina o desejara durante muito tempo e adivinha? Ela conseguiu o que queria, mas perdeu logo depois. E seu prejuízo foi maior. Ela perdeu seu namorado e melhor amigo. Claro que a relação de ambos era boa no momento, porém nunca como antes.
-Já provaram isso?- ela questionou animada, se aproximando, sem ligar para o papo que acabara de interromper.
-O que é isso?- Joe perguntou, já percebendo uma diferença no humor da menina.
-Sei lá, mas é ótimo!- afirmou.
-Quem te deu isso, Demi?
-Importa?- ela riu e se afastou, deixando a música a levar.
Joe a chamou algumas vezes, mas a menina não escutava nada. Mexia seu corpo para todos os lados e dançava de forma sensual na frente de um grupo de meninos. Não demorou nada para que o grupo ficasse maior e maior, não demorou para que eles começassem a se aproveitar daquilo. E logo Joe se aproximou também, mas com outras intenções.
-E aí, gato- a menina sorriu sensualmente- Tava com saudades de você- sussurrou, jogando seus braços ao redor o pescoço dele.
-Não, você não estava- ele afirmou, tentando se afastar.
-Ah, qual é, Joe?- murmurou- Vai dizer que também não sente a minha falta?- sorriu.
-Sinto falta da Demi sóbria- respondeu irônico.
-Acho que você também gosta da Demi boa de cama- provocou.
Ambos se beijaram com rapidez e, por sorte, Joe não havia bebido. Porque se ele cometesse esse erro, eles deixariam ali, naquela festa, uma marca para a história. Se ela pudesse, já teria arrancado a roupa dele ali mesmo, sem mais delongas.

~~~~~~*~~~~~~~*~~~~~~
-O que você pensa que está fazendo?- ela questionou, lutando contra ele ao tentar  manter-se  fora do carro- Me solta, Joe!- ordenou.
-Estou tentando te levar pra casa- ele disse.
-Mas eu quero ficar aqui- murmurou em tom óbvio- Anda, me deixa voltar para a festa.
-Não vou te deixar lá, bêbada, com um monte de garotos fazendo o que querem com você- afirmou, colocando-a a força sentada.
-Ah, ciúmes?- perguntou sorrindo.
-Não, Demi- disse- Um pingo de consideração que eu ainda tenho por você.
-Idiota- ela gritou.
-Isso, me chama de idiota. Mas se eu te deixasse aqui, tenha certeza de que eu morreria depois que alguma coisa te acontecesse e você soubesse que eu dei as caras e não liguei.
-Não preciso de você, eu não estou bêbada- tentou garantir.
-Ah, realmente não- concordou cínico.
Demi bufou e reclamou o caminho inteiro. Chamou Joe de nomes que ele preferia não ter ouvido e falou coisas sem o mínimo sentido também. Parecia que, mesmo não bebendo agora, ela ficava mais bêbada a cada segundo.
-Você está me machucando- reclamou.
-Caramba, tem como calar essa boca pelo menos por uns 5 minutos?- perguntou impaciente- Não aguento mais te ouvir reclamar.
-Grosso, estúpido- lhe deu tapas no braço.
-Você só me da trabalho- revirou os olhos. Ela não tinha culpa- Se não desmaiar já vai estar ótimo.
Joe a carregou até seu quarto e ligou o chuveiro. Respirou fundo  algumas vezes e, com certa dificuldade, tirou o vestido dela, deixando-a apenas de lingerie.
Aguentou as provocações dela, as palavras ousadas e aquele corpo. Aguentou o desejo dentro de si e colocou a menina debaixo da água gelada.
-Isso ta frio- ela murmurou.
-É óbvio que está- revirou os olhos, enquanto procurava uma toalha- Ei, o que você...?
Joe correu para perto da menina, antes que ela pudesse terminar o que havia começado. Estava claro que procurava o fecho de seu sutiã, levando as mãos para trás do corpo.
-Ué, como eu vou tomar banho sem...
-Demi, pelo amor de Deus, você não está tomando banho.
-Ah, vamos Joe, eu sei que você quer- repetiu a frase, pela milionésima vez- Como você pode ter me esquecido se eu não te esqueci?- perguntou.
-É claro que você me esqueceu, Demi- ele disse, cansado.
-Eu sinto a sua falta- sussurrou manhosa, caindo para cima dele- Quero você de novo comigo...
O menino suspirou algumas vezes e colocou-a a força debaixo d’água. Demi se debatia e molhava tudo que estava a sua volta, mas foi se acalmando aos poucos, conforme a temperatura se adequava ao seu corpo, conforme ela sentia o efeito daquilo.
Mas quando ele pensou que ela fosse realmente se inquietar, a menina fixou seus olhos nos dele, encarando-o profundamente, de uma forma que não fazia a muito tempo. Enrolada na toalha e sentada na beira da banheira, ela sentia seu corpo tremendo e sua respiração diferente.
Joe se aproximou para terminar de secá-la, mas Demi não se movia, não desviava o olhar.
-O que aconteceu?- perguntou, preocupado.
-Eu te amo- ela sussurrou e o beijou, deixando a toalha deslizar por suas costas.
Era aquilo, aquela sensação que fazia uma falta tremenda. Sentir seus lábios juntos, um calor entre eles, o contato desesperador. Sentir seu corpo junto ao dele, sua língua explorando sua boca, suas mãos correndo por seu corpo.
-Demi para- ele disse, controlando-se ao máximo, tentando afastá-la.
-Eu quero isso e você também- a menina afirmou, tão certa de si que ele até duvidou que estive mesmo bêbada- Não vou me arrepender, quero você- garantiu, com a voz baixa.
-Meu Deus, será que essa água congelada não serviu de nada?- murmurou, perguntando a si mesmo.
A menina ignorou qualquer reclamação ou pedido dele, e o agarrou com tudo. Prendeu suas mãos em seu cabelo e colou seus lábios com força e desejo.
-Por favor- pediu, quase implorando, quando ele tentou se afastar bruscamente.
-Eu vou me arrepender disso- ele afirmou- Onde eu estou com a cabeça? Você não faz ideia do que está fazendo.
-A única coisa que eu sei é que não da mais pra viver sem você- ela afirmou, se aproximando novamente.
Demi sentiu Joe segurar suas mãos, enquanto as levava para longe. Para longe dele, desses desejo maldito e dessa saudade. Longe de qualquer risco. Logo depois, ela bufou frustrada, e ele segurou seu rosto entre as mãos.
-Olha pra mim- pediu- Você não tem uma mínima noção do que está fazendo nem falando. Eu tenho certeza de que quando o efeito da bebida passar, você vai me dizer que foi um erro. Eu não quero arriscar ter que ouvir isso da sua boca depois de alguma coisa ter acontecido.
-Então quer dizer que você quer?- até que ela estava raciocinando bem.
-Nunca faria nada com você nesse estado- afirmou- Mesmo que eu quisesse- completou com um sussurro.
Ele a levou para a cama depois de lhe dar uma blusa seca para que vestisse. Desceu os degraus da escada, desejando um minuto de paz. Queria colocar as ideias no lugar, mas apenas conseguia pensar no que poderia acontecer, bastava ele querer. Porém não, não era só isso. Ele queria sim, mas o que o impedia era a ideia de que era errado.
Preparou um café e em anos, essa fora a primeira vez que a demora não o incomodava. Ele realmente queria adiar a necessidade de olhar novamente para ela. Mas pensando bem, não devia-se deixar uma pessoa bêbada sozinha por muito tempo.
-Demi...- ele chamou quando entrou no quarto e se deparou com a menina deitada na cama com um travesseiro tapando o rosto- Ta tudo bem?- perguntou, colocando a xícara sobre a escrivaninha e se sentando ao lado dela.
-Não- negou rapidamente- Eu me recuso a olhar pra você- ela disse.
-Porque?- questionou confuso- Está com raiva de mim?
-Estou com raiva de mim- ela afirmou- Por ser a primeira bêbada que lembra do que fez quando fica sóbria.
-Então você é a mais rápida também- ele brincou, tentando descontrair- O que tem demais nisso, Demi? O fato de você lembrar ou não nunca me faria esquecer- deu de ombros.
-O que tem demais? É que como sempre dizem, o que você diz quando está bêbado é apenas a verdade que não teve coragem de dizer quando estava sóbrio- ela suspirou, levantando a cabeça, mais ainda levando o travesseiro junto.
-Isso não é uma regra- riu sem humor- Não é porque acontece com algumas pessoas que deve acontecer com você também, relaxa, eu esqueço tudo o que aconteceu.
-E se eu não quiser que esqueça?- perguntou com um sussurro.
-Como assim?
-Você não entende- ela resmungou nervosa.
-Porque não tira esse travesseiro do rosto e me explica?- sugeriu calmo.
Joe levou uma de suas mãos até o objeto e delicadamente o jogou para longe. Demi suspirou e abaixou a cabeça, evitando encará-lo de qualquer forma.
-Você vai mesmo me fazer explicar?- perguntou- Não pode simplesmente entender que tudo o que eu disse foi verdade? A parte de sentir a sua falta, querer te beijar e.... eu realmente queria tudo aquilo- disse cabisbaixa.
-Demi....
-Eu nunca entendi, Joe. Nunca entendi porque a gente terminou, pra onde foi aquele amor e aquelas promessas?- questionou.
-Tem como a gente não falar disso agora?- pediu.
-Desculpa, eu... não consegui- respirou fundo- Eu estou me sentindo ridícula, por isso- bufou.
-Deixa pra lá- o menino deu de ombros- De qualquer forma, você estava fora de si.
-Ai meu Deus... como eu deixei isso acontecer?- ela perguntou a si mesma.
-O que aconteceu é a pergunta certa, Demi- ele disse- Porque você bebeu desse jeito? Quer dizer, eu não sabia que você bebia.
-Nem eu- ela disse- Foi  o Trace... ele me deu um copo e eu... só bebi cada vez mais.
-E o que te deu na cabeça pra ficar com o Trace?- ele perguntou.
-Eu não fiquei com ele- revidou- Só... sei lá, não me olha como se eu fosse tão... errada. Eu não sabia o que estava fazendo- afirmou.
-Tudo bem, desculpa- pediu- Eu só me preocupo com você, sabe disso- disse colocando uma mecha de cabelo dela para trás da orelha.
-Obrigada- ela sorriu- Eu... teria feito muita besteira se você não tivesse me tirado de lá. E... eu acho que ninguém mais faria isso- disse- É, você ainda cuida de mim- riu sem humor.
-Sempre- ele sorriu- Eu não podia te deixar lá... eu nunca faria isso.
-Porque?
-Por mais que tudo isso tenha acontecido entre a gente você ainda é minha amiga e eu gosto mesmo de você- ele explicou- Não tem como fingir que não te conheço, isso é errado.
-Acho que ainda tenho sorte- deu de ombros- E ah, obrigada por... não ter feito nada... que eu pedi- ela disse, envergonhada- Eu não me arrependeria mas...você me respeitou.
-Eu não sabia que estava falando sério- ele disse.
-O problema é que eu realmente nunca falaria isso sóbria. Eu não teria essa coragem.
-É aí que se engana...- ele deu de ombros- Você já me disse- afirmou, sorrindo.
-Joe- ela chamou, depois de segundos de silêncio.
-Olha pra mim- ele pediu carinhoso, levantando o rosto da menina e se aproximando.
-Se você soubesse que  eu estava certa de tudo que disse?- ela questionou com um fio fino de voz, tímida. Era incrível e estranho. Ela havia feito e dito coisas que eram muito mais imponentes que essa pergunta. Mas ainda assim ficava envergonhada.
A verdade era que ela ainda queria tudo aquilo. Tudo que disse querer. Queria aproveitar seus lábios nos dele novamente, porém dessa vez da maneira certa.
Joe sorriu largamente, um sorriso sedutor que ao mesmo tempo era meigo.  Segurou a nuca de Demi e aproximou mais ainda seu rosto do dela, sentindo sua respiração pesada, sentindo o desejo dela no ar. O menino a beijou, com muita calma, e aos poucos foi se movimentando, terminando em cima dela.
-Eu também nunca entendi porque terminamos- ele afirmou no ouvido dela, com um sussurro sensual.

"This is what I want... you"
Direcionou seus beijos até o pescoço dela e ouviu-a dizer seu nome conforme mordia sua nuca. Joe sentira muita falta daquilo... ah, como sentira. Desde que terminaram, ele se pegava lembrando de todos os momentos e se perguntando exatamente o por quê do fim.
Acariciou as costas da menina, puxando-a para mais perto. Sentiu a pressão de seus seios sobre seu peito e imprensou mais seus corpos, desesperado por aquilo. Tirou a blusa dela com facilidade, o que realmente facilitou tudo. Já que apenas usava essa camisa, agora estava apenas de lingerie, sob o olhar dele.
Demi fez o mesmo, sem perder tempo. Arrancou a blusa do menino e depois foi a vez da calça. Deslizou suas mãos pelo peito dele, arranhando levemente com suas unhas. Ela sabia que ele amava aquilo e ela gostava de ouvi-lo suspirar, suspirar por ela.
O menino conhecia aquele corpo, conhecia muito bem. Inúmeras foram as vezes em que ele o tocou, beijou e acariciou de diversas formas. Sentiu seu gosto e o desejou. Agora ele mal podia esperar para tudo aquilo de novo.
Alisando o corpo dela, ele percebia que não havia mudado em nada. Continuava aquela mesma perfeição, do jeitinho que ele sempre vira e tocara. Permanecia da forma como ele deixara e agora, esperava por ele novamente. Esperava para que Joe o enchesse de prazer e matasse as saudades, o desejo antigo e intenso.
Suas línguas brincaram juntas de forma carinhosa. Ambos estavam loucos por aquilo, mas sentiam a necessidade de aproveitar, a todo o momento e da maneira que quisessem.
Seus corpos se movimentavam juntos, entrando novamente em um ritmo já conhecido. Estavam colados, sentindo um ao outro como já haviam feito muitas vezes. Quentes e excitados, Joe e Demi tocavam-se em lugares muitas vezes desejados  e proibidos, lugares que os faziam perceber a confiança e intimidade que já tinham ali.
Sorriram juntos, sorrisos safados e ansiosos, mostrando animação para o que vinha a seguir. Demi relaxou seus braços ao redor do pescoço do menino e prendeu suas pernas na cintura dele, sentindo-o fervendo, sentindo algo único e maravilhoso. Juntou mais ainda seus corpos e deixou que suas mãos percorressem o corpo dele. Aquele corpo sexy e que esperava por ela.
Joe se livrou do sutiã de Demi com calma, distribuindo beijos por onde ficava descoberto. Acabou por beijar todo o  corpo dela, fazendo-a aproveitar a quentura da  língua dele em contato com sua pele. O menino também beijou os seios dela, massageando-os e acariciando com a ponta dos dedos, contornando-os. Aquele desenho perfeito...
Sentiu-se bem por aquilo. Durante muito tempo de sua vida ela não sentira esse pressentimento de que tudo estava onde realmente deveria estar.  Sentir suas mãos explorando-a era como ser descoberta novamente, depois de um tempo escondida. Era como aproveitar novamente, como da primeira vez. Sempre era novo quando se tratava de Joe. Sempre eram experiências novas e animadoras.
A menina se afastou sorridente e passou o dedo indicador pelos lábios dele, de maneira sedutora. Joe cravou suas mãos na cintura dela com o gesto, mas antes que pudesse trazê-la novamente para perto, Demi já estava beijando seu peito descoberto, descendo cada vez mais e fazendo-o pronunciar seu nome com muita vontade. Vontade daquilo.
Deslizou suas mãos pelo tronco dela, ficando por cima novamente enquanto puxava a calcinha para baixo. Ele mal podia esperar para tocá-la de mais formas e a menina estava a cada segundo mais ansiosa pelo sentimento.
Iniciou a sequência de beijos na nuca, e desceu até a coxa dela. Suas mãos acompanhavam os movimentos, acariciando-a intimamente. Nunca se cansava de sentir sua pele roçando com a dela, não cansava de senti-la com seus lábios.
Acariciou a parte interna da coxa dela, fazendo-a jogar a cabeça para trás, gemendo seu nome. Segurou-a pela nuca e trouxe seu corpo para cima do dele. Demi livrou-se rapidamente da box do menino e ambos finalmente suspiraram juntos.
Seus corpos se encaixaram perfeitamente, como sempre havia sido. Os dois foram tomados por uma onda de prazer, algo que durou por mais muito tempo. Era algo que não deveria acabar... nunca.
Continua...
Então, pessoas lindas que moram no meu coração, foi o que eu consegui, por enquanto. Espero que tenham gostado e eu prometo me esforçar para postar o mais rápido possível a 2ª temporada :)
Marquem o "eu li" e comentem, por favor!!
Posto quando eu conseguir, porque eu vou viajar então não garanto nada...

Mil beijinhos,
Brubs <3

10 comentários:

  1. QUE PERFEITO,AMEI O CAPÍTULO.
    POSTA LOGOOOO,
    BEIJOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ownt obrigada, linda *-* Vou postar quando der... :/ beijinhos :3

      Excluir
  2. Respostas
    1. hahaha assim que eu conseguir escrever eu posto, amore <3

      Excluir
  3. Ameeiiiiiiiiii
    hot hot hot hot
    preciso saber o que vai acontecer
    Posta logo pleaseeeeeeeeee

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn kfphrfnegçrçej obrigada hahaha <333 pois é... hot hot hot hahaha estou terminando de escrever :)

      Excluir
  4. Ameeeeeeeei, posta logo pfvr!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amor <3 Estou viajando, por isso é mais complicado de escrever, mas eu vou postar assim que der ;)

      Excluir
  5. aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah que lindo *_* voce me surpreende a cada dia Brubs <3 posta logoo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Owwwnt sua lindaaa <3333 Obrigada, de verdade, amoreco!! Vou postar quando conseguir terminar de escrever :)

      Excluir

Vamos comentar?!?!..... SIM! :3