Visualizações

31 de jan de 2013

15- Pensando no futuro.


Love is everywhere:
Camp's love
(1ª temporada)

(I don't own anything in this pic)


Demi on:
Eu sabia que Joe poderia me matar mais tarde, caso eu saísse viva daqui, e também sabia que era desastrada demais para me arriscar dessa maneira, mas eu estava apenas com vontade de observar o céu de um lugar calmo, silencioso... sem nada ao meu redor que pudesse ocupar minha cabeça. Eu queria poder pensar, mesmo que isso não fosse a melhor escolha para aquele momento.
Já haviam se passado quase 3 meses e sentada naquela pedra, eu me lembrava de quando ele me levara ali pela primeira vez. Parecia tão... perto e tão distante ao mesmo tempo. Assim como meus pensamentos, aquele momento estava longe de mim agora. Lembrar que naquele dia nós não estávamos nem tão perto assim de ter alguma coisa e que agora estávamos namorando me deixava um pouco... sem ar. 
Era sufocante subir naquela pedra, eu confesso, mas não era por essa razão a minha "falta de ar". Pensar no futuro me deixava com medo.

Juntei todas as minhas forças enquanto subia lá, mas a vista foi recompensante. Sorri comigo mesma, depois me odiando por saber que não tinha um pingo de verdade naquele gesto. Perguntas e mais perguntas martelavam minha cabeça, e dessa vez elas não tinham nada a ver com a confiança que eu sentia por Joe. O problema ali era saber que nada daquilo duraria.
Vamos ser honestos. Tem vezes que não podemos manter um pensamento guardado por muito tempo, evitar coisas predestinadas a acontecer é tolice. Eu fingi durante muito tempo que não me preocupava, mas nesse momento, eu deveria ser clara comigo mesma, colocar as cartas na mesa e ser justa com a ideia de que nosso futuro poderia não existir.
Era mais do que óbvio. Eu não queria piorar nem complicar nada, mas por favor, eu morava no Texas e ele em Los Angeles. Quer obstáculo maior do que distância? Isso era ridículo. A ideia de que algo entre nós poderia funcionar me pareceu errada, pela primeira vez naqueles meses.
Se fosse apenas uma separação temporária, eu não via problemas em um namoro a distância. O grande "porém" era que não, não era nada temporário. Ia muito além disso. Era definitivo. Daqui a um mês, eu estarei embarcando em um avião e ele voltando a sua rotina. Nossas vidas seguirão rumos diferentes e nós permaneceremos separados. Por mais que seja algo indesejável.
O que eu mais queria era evitar uma conversa sobre esse assunto com ele. Não precisávamos de mais problemas agora, não é? E o que eu deveria fazer? Terminar tudo porque iria terminar mesmo que não quiséssemos? "Sofrimento" estava presente em qualquer decisão que eu tomasse. Porque querendo ou não, deveríamos admitir. Era apenas um romance de verão e eu deveria saber desde o início que se tratava disso.
-Hey, o que está fazendo aqui?- ele perguntou, sorrindo ao se aproximar- Não se machucou, né?
-Não- neguei rindo brevemente- Consegui chegar viva.
-Porque não me disse que viria? Eu podia ter vindo com você...- deu de ombros. Eu não o mandaria embora, afinal, que direito de fazer isso eu tinha?
-Não precisava, eu... só queria ver o céu azul- sorri- Está bonito hoje- comentei.
-Jura mesmo?- riu sem humor, se sentando ao meu lado enquanto me abraçava de lado. Eu apenas assenti e passamos um tempo juntos observando a paisagem- O tempo passou rápido, hein?- ele se virou, sorrindo. O que não significava que estava feliz. Eu via através de seu olhar.
-Demais- suspirei- Lembro como se fosse ontem de quando você começou a dar em cima de mim- rimos juntos.
-E eu lembro de quando você entrou no meu quarto, de quando aceitou ficar comigo- ele disse, colocando uma mecha de cabelo para trás da minha orelha- É impossível esquecer qualquer momento que aconteceu entre a gente, Dem- ele garantiu. Dem. Outra coisa fofa que aquela criatura havia feito. Porque ele era tão perfeito? Porque isso tornava tudo mais difícil?
-Então promete que não vai ME esquecer?- pedi, me sentindo um pouco estranha por aquilo.
-Você não parece o tipo que... faz pedidos assim- ele comentou.
-Eu nunca pensei nisso, Joe- dei de ombros- O nosso namoro... é baseado em "ficadas", entende? Nós pulamos de uma ficada para um namoro. E... isso me pareceu errado.
-Queria muito mais do que apenas um beijo- ele disse.
-O que você queria de mim?- perguntei. Eu não consegui me controlar.
-Não era o que você está pensando- ele negou- Eu sei falar sério quando preciso, e é sério quando eu digo que não te pedi em namoro por algum interesse a mais.
-Me desculpa- murmurei. Era melhor eu parar por aí antes que falasse mais alguma besteira, mas a minha língua era maior que a boca- É só que... sinto como se isso fosse acabar.
-Eu prometo- ele me cortou- Prometo que jamais vou te esquecer- repetiu- Você não precisa se preocupar com isso. Em relação ao nosso namoro, eu...
-Tá tudo bem, eu que fico procurando besteiras para falar- o interrompi.
-Escuta o que eu tenho para te dizer- pediu, sorrindo carinhoso. Eu assenti, por mais que soubesse o quanto as doces palavras dele iriam doer em mim- O que eu sinto por você é indescritível, Dem. Não duvide disso, por favor. Quer saber o que eu sinto? Que você ainda não... acredita que isso esteja acontecendo entre nós. E eu te entendo, porque aconteceu muito rápido e isso atrapalha, com certeza. Nós não tínhamos uma amizade forte antes disso acontecer, nem nos conhecíamos. Nós demos um salto gigantesco, pulamos fases, mas isso não significa que o que eu sinto por você vai diminuir. Acredite, se eu quisesse alguma coisa de você, não perderia meu tempo em um namoro- disse- Eu te pedi em namoro porque eu te amo- quando ele disse isso eu tive que juntar todas as minhas forças para não soltar as lágrimas que já estava segurando a um bom tempo. Era a primeira vez que ele falava que me amava e isso era definitivamente importante para mim.
Eu sempre me sentia bem com ele, protegida, segura e amada. Mas nunca tinha ouvido Joe me dizer algo como isso antes. Ele me amava e eu o amava também. Desde o primeiro dia aquele sorriso me encantou, aquele olhar me pegou de jeito e eu não pude esconder o que sentia por tanto tempo. O fato de eu não precisar ouvir um "eu te amo" para acreditar nele, acreditar em nós, era o que mais chamava a minha atenção. O que havia acontecido entre nós fora algo completamente surreal. Algo que eu nunca imaginei viver.
-Quando eu te ouço, é realmente complicado... encaixar as ideias no lugar- sussurrei- Você tem uma personalidade... forte e... surpreendente, um pouco misteriosa. Tudo o que fala... muda quando eu penso em quem você é, e isso torna cada letra ainda mais especial. Porque você é real, o que você fala é verdadeiro e eu sinto isso. Se tudo aconteceu rápido... definitivamente não foi um motivo para atrapalhar o nosso namoro. O mais engraçado é que... é a primeira vez que o que existe entre nós se torna algo... conversado. Só demonstrávamos com gestos e agora... é diferente falar sobre o que eu sinto- expliquei- Eu te amo também- sorri de forma verdadeira, completamente diferente de como eu havia feito ao chegar ali.
-Eu sei que nunca te disse muito sobre o que eu sentia, sobre nós- ele disse- Mas eu quero que saiba o quão importante você é pra mim, Dem- sorriu acariciando minha bochecha- Eu te amo demais e faço quantas promessas você quiser. 
-Eu não preciso de mais promessas- afirmei.
Juntamos nossos lábios  e eu tive medo novamente da sensação que me invadia. Estava mais do que claro que tudo que eu fazia ou falava ali era levado mais além, além de onde eu queria imaginar. Era como se fosse a última conversa, o último momento. A última declaração, aquela mais emocionante e reveladora, o primeiro e último "eu te amo" e isso me amedrontava. Isso era a razão pela qual meus olhos estavam prestes a transbordar agora. Eu não queria que existisse um "adeus".
-Porque essa carinha, hein?- ele perguntou, entrelaçando nossos dedos.
-Será que... você pode me deixar um pouco sozinha?- eu não queria pedir isso, não queria que a sensação de despedida aumentasse mais ainda dentro de mim, mas chorar ali, na frente dele, ainda era um desafio. Uma fase pela qual eu não havia me imaginado fazendo parte.
-Claro- ele assentiu, forçando um sorriso. Não parecia triste ou magoado, mas talvez um pouco preocupado. Sorri comigo mesma por seu olhar meigo e agradeci por  ele não fazer o que eu mais temia. Por ele não me questionar o motivo ou o que havia de errado. Eu não aguentaria ter que explicar nada ali, agora.
-Obrigada- agradeci com um sussurro, bem baixinho enquanto abraçava minhas pernas.
-Cuidado quando voltar- ele brincou e eu ri, antes de perceber que ele falava mais sério do que de brincadeira- Qualquer coisa, eu estou no quarto. É só me procurar- assenti e senti seus braços ao meu redor, me aconchegando rapidamente antes de sair dando-me um carinhoso beijo na testa.
Desabei no choro depois de ter certeza de que ele estava mesmo longe. Eu não queria correr o risco de ser ouvida. Era demais para mim, pensar no que ia acontecer acabou comigo de uma forma que eu não imaginara. Não tinha como evitar essa situação, e por mais feliz que eu estivesse por ouvir todas as palavras dele, minhas lágrimas apenas escaparam de uma prisão onde eu as deixava. Horrível, era como eu classificava o jeito como me sentia. Horrível por pedir que ele fosse embora quando eu sabia que eu precisava do seu abraço ou colo, horrível por não admitir que queria seu ombro para chorar, por ter que ver e sentir na pele como seria daqui a um mês. 
Eu não sei como eu consegui sair dali sem cair. Estava escurecendo já e a minha visão embaçada não ajudava. Corri para fora daquela trilha, buscando, no fundo, uma solução para a vontade de desaparecer. O que eu menos queria era continuar pensando sobre como eu iria embora dali. Como tudo entre nós ia terminar.
Bom, eu poderia ter ido para o meu quarto, levando em consideração que eu havia pedido que Joe me deixasse sozinha exatamente porque não queria chorar na frente dele. Mas qual era o problema nisso?  Vergonha de demonstrar fraqueza? Eu nunca fizera isso e não seria agora, no momento em que eu precisava dele, que iria começar com essa besteira. Eu sabia que precisava de alguém  que enxugasse minhas lágrimas, me desse um forte abraço e dissesse que tudo ficaria bem, mesmo que fosse mais uma mentira na qual eu tentaria acreditar. Eu precisava ouvir essa mentira da boca de Joe.
-O que nós vamos fazer?- eu perguntei assim que abri a porta de seu quarto, implorando por algo que me livrasse daquilo. Era algo terrível que eu nunca sentira antes. Era como estar presa em um pesadelo. O pior dos piores.
Joe e Mikey estavam jogando vídeo game na tv e conversando sobre alguma coisa. Não me importei muito com o fato de ele não estar sozinho ali. Já que era para chorar, que chorasse na frente de todos. Qualquer coisa que fosse precisa para ter Joe comigo. Eles me encaram no exato momento em que eu disse aquelas palavras e pareciam bem confusos. 
Meus olhos deveriam estar bem vermelhos e inchados, mas eu consegui conter o choro por algum tempo, secando as lágrimas. Não era para parecer que eu não havia chorado, porque isso era definitivamente impossível, era apenas para tentar manter a calma mesmo. E eu acho que respirar fundo diversas vezes ajudou bastante.
Mikey levantou junto com Joe, que parecia bem assustado, e lançou para ele um olhar que provavelmente dizia "vou deixá-los a sós" e passou  por mim, apoiando a mão rapidamente em meu ombro, em sinal de consolo. A porta fechou-se atrás de mim e Joe caminhou na minha direção, me abraçando com todo o carinho que ele tinha.
-O que está acontecendo, meu amor?- sussurrou em meu ouvido. Sorri ao ouvir como ele me chamou, mas logo minha  felicidade momentânea foi substituída pelas lágrimas de antes.
-Eu não sei o que fazer... não sei o que vai acontecer com a gente daqui a um mês- sussurrei, sentindo que ele acariciava meu cabelo.
-Vem cá- Joe me segurou pela mão e me levou até a cama, se sentando na minha frente e enxugando as lágrimas- Porque... pensar no futuro logo agora?- perguntou cauteloso.
-Porque uma hora ou outra isso ia acontecer- respondi- Eu não estou mais suportando a quantidade de pensamentos na minha cabeça, eu sinto como se fosse explodir- disse rapidamente.
-Então se acalma- ele pediu- Não precisa chorar nem se desesperar, respira fundo pra gente poder conversar, tá?- assenti e tentei realmente manter a calma. 
Mas  ao perceber que eu continuava chorando, ele se aproximou e sentou-se mais perto de mim, me colocando em seu colo. Jogou seus braços ao meu redor e deixou que eu chorasse em seu peito, sem me forçar a falar nada. Eu concordava que era melhor me acalmar antes.
-Estou com medo- confessei, depois de algum tempo- Eu não queria pensar em nada disso agora mas foi inevitável. Eu preciso tirar isso de mim... estou me sentindo péssima.
-Dem, escuta- ele pediu- Eu sabia que tinha algo errado, desde que percebi que tinha ido sozinha para aquele lugar. Eu não te culpo por pensar nisso, eu também já pensei. No fundo nós dois sabíamos o que aconteceria, só estávamos fingindo não perceber o que estava bem na nossa frente.
-Eu tentei não me importar, só que...- suspirei- Eu não sei.
-A questão é que eu não esperava me apaixonar por você. E você não queria também, porque por mais que não estivesse ligando nada ao futuro, você sabia que tinha muitas chances de se magoar, sabia que não daria certo. Só que... nós decidimos arriscar.
-E quando você arrisca, é poque você quer- completei- Quando quer, vai até o fim- sussurrei e ele concordou.
-Você... não sabe, mas eu me perguntei muitas vezes porque havia deixado que eu mesmo cometesse tamanho erro. Eu me apeguei a você e acredite, não desejei isso. Diversas vezes eu quis tentar parar por ali e parar de tentar, mas quando eu percebi, o que eu sentia por você crescia dentro de mim e se tronava mais forte do que o medo- confessou.
-Nós erramos ao pensar que funcionaria, a gente sabia que não daria certo- eu disse, sentindo lágrimas caírem novamente.
-Nós nunca escolhemos sentir nada. E por mais que nós não desejássemos esse amor, essa paixão- disse com seus olhos fixos nos meus- Aconteceu. Vê onde eu quero chegar? Nunca sabemos o que é certo até acontecer. Eu nunca imaginei que isso entre nós aconteceria. Eu confesso que só queria uma noite com você, ou talvez alguns outros beijos, mas eu fui além disso. Porque eu descobri uma coisa real, inevitável, dentro de mim. O amor que eu sinto por você. Não podemos dizer o que vai acontecer, Dem. E é por isso que eu me limitei a pensar sobre o futuro.
-Parece meio impossível deixar as coisas acontecerem, simplesmente- bufei, inconformada com a situação.
-Daremos um jeito. Não escolhemos esse namoro, aconteceu. Eu não escolhi viver uma paixão de verão quando cheguei aqui, eu não deveria ter feito isso. É a mais pura burrice, mas eu fiz, e você também. Cometemos erros por algum motivo. Então acredita em mim, o que tiver que acontecer, irá acontecer- ele forçou um sorriso.
-Vamos mesmo dar um jeito?- perguntei. Eu sabia que ele não poderia nunca me garantir nada desse tipo, afinal, por mais que eu quisesse, não tínhamos bola de cristal. Mas eu acreditava em cada palavra que saía de sua boca. Então quando ele assentiu, eu apenas acreditei. Acreditei que, não importava como, daríamos um jeito.
-Eu te amo e isso ninguém pode mudar. Não vim para me apaixonar, mas já que aconteceu, o que eu quero não é apenas um romance de verão. Porque o que eu sinto por você é especial. Então... por favor, não pensa nisso. Bloqueia a sua mente, isso não vai te fazer bem. Não vai fazer bem a nós.
-Tudo bem, eu também te amo- sorri- Nada mudará isso. Nem agora, nem daqui a um mês ou mais.
Ele sorriu junto comigo e senti que seus braços me agarravam com mais força. Joe beijou minha testa e deixou que as lágrimas silenciosas caíssem, molhando sua blusa. A única coisa da qual tive certeza naquele momento, era que queria permanecer assim para sempre. E faria isso. 
-Eu vou fazer o que for preciso para que nada nos separe, tá?- eu assenti, ouvindo sua voz calma e relaxante, que logo depois estava sussurrando o tão esperado e temido "tudo vai ficar bem". 

A mentira que eu precisava tanto ouvir naquele momento.
Continua...
Esse capítulo foi meio chatinho, né? Sei lá porque eu tô falando isso, mas enfim... triste. hahaha
Se eu falar pra vocês que faltam exatos 5 capítulos para terminar, o que vocês farão comigo? lol
É isso mesmo, gente. Eu disse que seria pequena, mas tem a 2ª temporada, lembrem-se :)
E se eu dissesse que não consigo, simplesmente não consigo escrever a 2ª temporada?
Me matariam? :( Eu até tenho alguma coisa escrita, mas pra mim tá horrível. 
Bom... comentem, ok? Obrigada pelos comentários!!
15 para o próximo e marquem o "eu li" \o
P.s.: não vou dizer quando acontece o hot, mas aguardem. Falta tão pouquinho... *-*
Ah, e todo mundo achava que ia ser no armário, né? hahaha ~safadenhos~~ 

Beijocas,
Brubs <3 Amo vocês.







17 comentários:

  1. http://somentimes.blogspot.com.br/2013/01/selosuhuuuuu-kkkk.html
    selo pra você, amore!
    esse capítulo tbm tá lindo!*-*
    posta logooooo!kkkk
    bjks

    ResponderExcluir
  2. Tá perfeito,foi bastante triste o capítulo,e triste,amar uma pessoa,e ter que deixar,ela ou ela ir embora.
    Posta logoooo,
    Beijos
    <3<3<3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seloooo !!
      Para você *---*
      http://selospara.blogspot.com.br/2013/02/blog-post.html?m=0

      Excluir
  3. Perfeiiiiitooooo....Primeira vez que comento,tá linda sua fic

    ResponderExcluir
  4. quase chorei junto com o cap. Que triste.
    Posta maissss

    ResponderExcluir
  5. quase chorei junto com o cap. Que triste.
    Posta maissss

    ResponderExcluir
  6. Isso é tão... tão tristiii : ( preciso de maaais... postaaa

    ResponderExcluir
  7. Awn que perfeito esse capitulo. Muito triste porem perfeito.
    Fiquei com pena dos dois :( Eles vão se separar mesmo ou vão dar um jeito??
    Espero que eles deem um jeito, porque eu acho que nem a Demi nem o Joe vai conseguir ficar longe um do outro, eles se apegaram muito pra uma paixão de verão.
    Muito perfeitaaa a parte que o Joe diz que ama ela, deu ate um friozinho na barriga *---*
    Continuo amando tudo nessa fic <3
    Como assim já ta acabando? Nem acredito. Mas vai ter o hot antes da segunda temporada né?
    Quanto a segunda temporada sei que vc dará um jeito, porque vc é uma otima escritora :))
    Bom, posta logo estou ansiosa pra o proximo :D
    Beijocas :****
    Lova ya <333

    ResponderExcluir
  8. achei o capítulo tão triste :( aw, eles vão arrumar um jeitinho de ficarem juntos né? pq vai ser muito triste ver um longe do outro... quase chorei junto com a demi quando ela entrou no quarto dos meninos :/
    Posta maaaaaais

    ResponderExcluir
  9. to AMANDO!!! Posta o hot rs

    ResponderExcluir
  10. amei!!! Posta logo



    ps.: ela é virgem na história?

    ResponderExcluir
  11. vc é foda, to amando

    ResponderExcluir
  12. Perfeito,meu deus,joe e fofo.
    Adorei,posta logo,
    Beijos.
    E mais uma coisa pode me chamar
    De ale.
    ;)

    ResponderExcluir

Vamos comentar?!?!..... SIM! :3