Visualizações

31 de mai de 2012

Be Yourself- Chapters 36 & 37


Chapter 36- Play the game...

-Ah Demi... - sussurrou- Não fica assim, por favor. Eu sei que é complicado mas... tenta não pensar em nada agora- pediu.
-Tudo bem, eu... só queria um abraço seu... era o que eu precisava...
-Era só ter pedido. Se eu pudesse tirar tudo isso de você apenas com um abraço...
-Acredite, você pode- garanti.
Ele acariciou minhas costas, enquanto me confortava mais.


Joe on:
Achei melhor não tocar no assunto agora, porque podia ver que ela ainda estava abalada- com os olhos ainda inchados - e confusa. Decidi agir normalmente, mas como seu amigo. Quando ela chegou eu conversava com Ashley, e ela me dizia como ficou surpresa quando Nick falou aquelas coisas. Talvez eu fosse tolo, mas ainda acreditava que não havia sido ela. Conversamos sobre alguns assuntos e eu tinha certeza que ela não deixaria de ser amiga de Demi. Eu não havia levado em conta tudo que Demi havia me dito, e mesmo que fosse verdade, ela havia ido me procurar por algum motivo e eu cumpriria o que disse. Estaria sempre ali para ela.
Tentei agir da forma mais natural e carinhosa que consegui. Ela estava sensível e eu não queria magoá-la mais, nem que se sentisse ...estranha perto de mim.
Nos separamos do abraço e coloquei meu braço ao redor de seu pescoço, seguindo até a arquibancada.
-Bom, são eles- apontei para uma turma que entrava na quadra- São só uns 30 minutos de aula- sorri e depositei um beijo em sua testa.
Ela sorriu envergonhada e eu caminhei até meus 'alunos'. Eram todos muito educados e divertidos. Logo foram puxando assunto e lá estava eu, rindo e conversando com crianças de 9 anos. Eu não via problema nisso. Batemos um papo legal e rápido, tentei conhecer um pouco eles e seguimos para o jogo.
Eles eram animados e tinham uma disposição que contagiava. Preferi não bancar o professor chato que só sabia mandar, dizer o que estava errado e usar e abusar do apito- eu sabia que era assim porque também tinha um- Comecei a jogar com eles.
Alguns não eram tão bons, mas isso era porque os outros não davam oportunidades a eles. Os melhores competiam comigo, sempre tentando roubar a bola e marcar o gol. Resolvi não dar mole a eles. Nos divertíamos muito jogando, rindo.
Demi assistia tudo da arquibancada, sorrindo involuntariamente toda vez que eu a encarava. Ela também ria quando acontecia alguma coisa engraçada ou alguém caia no chão. Nós não estávamos levando o jogo a sério, apenas nos divertíamos, sem regras ou perturbações.


Demi on:
Aquele jogo era simplesmente hilário e Joe era, com certeza, o melhor professor que eu já tinha visto. Ele não se preocupava em fazer tudo do jeito certo ou bancar o professor. Ele apenas fazia com que as crianças se divertissem junto com ele. Eu ria sentada na arquibancada, observando tudo atentamente. 
Inesperadamente, um menino- que quase não tinha encostado na bola- caiu e todos começaram a rir. Mas dessa vez não foi nada engraçado. O menino começou a chorar e Joe foi correndo até ele.
É óbvio que eu também fiquei preocupada e não pensei duas vezes antes de levantar e ir até eles. Joe pegou o menino no colo e o levou até um banco que tinha ali perto, mandando que os outros continuassem o jogo.
-Você se machucou?- perguntou.
O menino não respondeu. Apenas negou com a cabeça, ainda chorando, escondendo o rosto entre as mãos.
-O que houve?- perguntei calmamente, ajoelhando do lado de Joe.
-Eu não sei jogar e todos ficam rindo de mim- choramingou, sussurrando.
-Por isso está chorando?- Joe perguntou docemente e ele assentiu- Vem, vamos dar um jeito nisso.
Voltamos rapidamente até a quadra, onde os meninos jogavam.
-Ei, galera!- Joe chamou e todos pararam para observá-lo- Estamos nos divertindo, apenas. Entendido? Então joguem sem se preocupar com a vitória. Quero TODOS participando do jogo. Nada de regras e sair passando por cima dos outros só pra fazer o gol. O placar não importa. Vamos jogar por pura diversão. -Ah, essa é a Demi...- apresentou- E ela vai jogar conosco- disse rindo, rapidamente para que eu não pudesse revidar- Vamos lá, galera!- gritou ainda rindo da minha cara.
-Joe! Eu não sei jogar isso!- disse indo atrás dele.
-Não importa. Vamos jogar por diversão- sorriu- Vem.
Ele segurou minha mão e me puxou até o centro da quadra, onde eu sabia que se iniciavam as partidas.
-É só chutar e rir- ele disse.
Começou o jogo. Joe deu o primeiro passe e, agora, todos estavam realmente participando. A bola veio até mim algumas vezes e eu fiz o que pude. Joe gargalhava horrores e eu fazia o mesmo. 
Finalmente consegui pegar a bola só para mim e- não sei como- saí correndo, conduzindo ela com meus pés desajeitados.
-Vai, Demi! Vai! Vai! Vai!- Joe estava atrás de mim, rindo e fazendo pressão- Chuta!
Ele estava colado em mim, mas não roubou a bola. Apenas ficou me acompanhando. Chutei a bola sem nenhuma habilidade e comecei a rir, sem conseguir me controlar. 
Joe me abraçou por trás, me levantando e rindo junto comigo.
-Eu disse que não era difícil- sussurrou no meu ouvido, sorrindo.
Ele me soltou e correu até a lateral, pegando a bola. Chutou e a bola simplesmente girou no ar perfeitamente. Ela foi parar nos pés do menino que estava chorando anteriormente. Não havia ninguém perto dele, ele estava na boca do gol e eu sabia que Joe havia feito isso de propósito.
-Essa é com você, Pedro!- gritou, sorrindo, encorajando-o.
O menino-Pedro- ficou sem reação por alguns segundos, talvez com medo de errar e ser zoado. Mas depois, chutou com convicção na direção do goleiro.
-E gooooooooooool- Joe gritou, acompanhado por muitos outros- Aeeeeeeeee- correu e colocou Pedro em cima do ombro, andando pela quadra, comemorando. Todos comemoravam ao redor deles.
Sorri ao ver tudo aquilo, a felicidade nos olhos de Pedro.
O resto do jogo foi incrível. Consegui fazer um gol e nunca ri tanto na minha vida como hoje. Foi maravilhoso. Mais engraçado ainda foi quando eu e Joe ficamos em times diferentes... ninguém nos segurava. Era um contra o outro, gargalhando e fazendo de tudo para roubar a bola. Confesso que ele foi piedoso comigo.
---------------------------------------------


Chapter 37- And now?

-Ah, Joe...- disse soltando o ar pesadamente, sem muito folego- Eu nunca ri tanto! 
-Viu, eu disse que seria legal- sorriu.
Estávamos caminhando juntos em direção aos vestiários. Rindo e lembrando das maluquisses do jogo.
-Eles realmente gostaram de você- comentei- Eu já tinha certeza disso. Você é ótimo com crianças... com qualquer um- sorri.
-Obrigada- sorriu- Eles também gostaram de você! Acho que foi a aula mais engraçada que tiveram!- riu.
-Ah sim!- dei uma leve batida em seu braço, rindo- Eles amaram me ver caindo e errando.
-Foi engraçado, Demi!- rimos juntos.
Quando me dei conta, já estávamos entrando no vestiário masculino. Ficamos tão envolvidos na conversa que só fui perceber quando já estava na porta.
Eu estava na frente de Joe e parei bem repentinamente, fazendo com que ele 'esbarrasse' em mim.
-Eu não posso entrar aqui, isso é um vestiário masculino, Joe!- revirei os olhos- Você nem pra me avisar!- ri- Vou pro feminino.
Me virei para sair dali, mas ele meio que me 'prendeu' onde estava. Não foi de propósito, mas como ele estava logo atrás de mim, bastou eu me virar para que nossos rostos ficassem praticamente colados. Desviei o olhar rapidamente e ele se afastou um pouco.
-Porque?- ele perguntou confuso.
-Como assim 'porque'? - ri sem humor- É m-a-s-c-u-l-i-n-o- disse pausadamente- Não é pra mim.
-Mas estamos sozinhos aqui, Demi. Ninguém mais do nosso ano está na escola a essa hora. E você sabe que os menores tem outro vestiário. Somos só nós. Qual a finalidade de ficar eu em um e você em outro, sozinhos, se podemos ficar no mesmo, nos divertindo?
-Joe...- o encarei com um olhar meio... estranho. 
-Pelo amor de Deus, eu disse no bom sentido!- levantou as mãos em defesa- É que não é legal ficar sozinho.
Eu ri do jeito como ele falou. 
-Ta bem... vamos- concordei e entramos no grande vestiário.
Ta... era realmente grande! Eu nunca havia entrado ali, e mesmo que fosse igual, parecia mil vezes maior que o feminino.
Joe colocou sua mochila em um banco, e abriu, tirando uma muda de roupa.
-Que bom que eu trouxe algo pra vestir-comentou- Foi pura coinscidencia.
-Pior que... eu também trouxe- sorri- Na verdade eu sempre trago.
-Coisa de mulher- ele revirou os olhos, rindo.
Tirei minha mochila das costas, colocando em outro banco. Eu não estava muito próxima dele. O vestiário tinha uma 'divisão'. De um lado, haviam alguns boxes e bancos, do outro, a mesma coisa. Estávamos assim... divididos.
Ele estava de costas para mim, mexendo na mochila. Eu o observava enquanto ele tirava a camisa, sem a menor preocupação. Por um momento, era realmente bom que estivesse de costas para mim, porque não sei que reação teria se fosse o contrário.
-Vou tomar um banho, é rápido- avisou- Também vai?- se virou para mim.
Por um segundo, achei que estava no paraíso. Joe Jonas, na minha frente, sem camisa. Eu não podia negar que era tudo o que qualquer garota desejaria ver. Fiquei hipnotizada por alguns segundos, mas logo voltei a realidade, esperando que ele não tivesse notado nada.
-Ér.... eu... vou- disse forçando um sorriso.
Ele sorriu levemente na minha direção e foi até o box, abrindo a água. 
-O legal de tomar banho aqui é que a água é quentinha e você fica o tempo que quiser- deu um sorriso bobo.
-Eu... nunca tomei banho aqui...- comentei.
-Jura? Então você não deve saber. É que a água é controlada quando não tem ninguém usando os vestiários. No caso, tem que ser um de cada vez- riu.
-Ah ta... Vai primeiro então- ofereci.
-Tudo bem- deu de ombros.
-Ah, Joe... eu vou na coordenação entregar um papel. É coisa rápida, já volto- disse saindo.
Corri em direção a coordenação. Era realmente rápido... só um papel que eu havia esquecido de entregar mais cedo por causa dessa confusão toda. Poréééém, como nada funcionava muito bem comigo, tinha uma 'fila' para falar com a diretora. Coisa que, aliás, eu nunca havia visto. Enfim, demorei um pouco mais o que o planejado, mas logo estava de volta ao vestiário.
Na 'volta' que dei pela escola, pude perceber que estava realmente vazia. Ninguém do nosso ano estava lá e a maior parte dos alunos menores estavam em sala de aula. Como a escola era muito grande, realmente ninguém saberia que eu estava no vestiário com Joe- já que isso era proibido- e poderíamos ficar em paz.
-Oi- disse dando de cara com Joe, sem camisa e ainda um pouco molhado na minha frente.
-Oi- sorriu- Demorou... Achei que tivesse fugido- riu.
-Não...- ri- É que tinha uma fila lá! Acredita?
-Uau- disse- Você pode ir... Vou terminar de colocar a roupa e passar uma água na toalha pra colocar na secadora. 
-Ah- fiz careta- Tem isso também?
-É...- riu sem humor- Se for rápida eu ainda posso pensar em lavar a sua também...- brincou.
-Taaa legal, eu vou correr- ri.
Bem, eu não havia pensado nisso. Era simples o meu problema. Eu estava no mesmo vestiário que Joe. Ele estava molhado e sem camisa, além de ter acabado de sair do banho. E eu iria tomar banho agora. E ele estava ali. Fim.

Continua...
Heeeeey! Como vão? Gostaram? EU acho que a partir de agora os capítulos vão ficar mais interessantes e vocês vão gostar mais... só acho :P hahaha Só avisando que o próximo está bem... interessante :D Vamos comentar? :3 Bom, eu achei o 36 muito pequeno e resolvi postar os 2 logo... Porque assim, quando eu escrevo, a noção do tamanho é diferente... :/ Mas enfim, espero que tenham gostado! :D Obrigada, amores, amo vocês! <3
Perguntinha: Está ficando chato? :s É que eu acho que vocês... sei lá... não estão mais gostando. Acho que já disse isso.... O.o mas... :( Bom, pra quem não está mais gostando tanto, a partir DO PRÓXIMO CAPÍTULO, vai ficar melhor, bem melhor! *-*

Isabbela, Luanna, Jemi (...) & Anônimo----- Awwwn obrigadaaaaaaaaa :3 
Stephanie------ Sem problemas :) Aaaaaaaaah ok, assim é melhor U.U Só não esqueça que o Nick é meu namorado :P Obrigada, beijocas estaladas <3
Mariane----  Também vou roubar ele para mim... Opsss ele já é meu :P hahahahaha Obrigada, linda! Beijos  :)
Cami --- hahahaha que bb <3 MEU bb U.u Te amo, linda! Obrigadaaaaaaa <3 <3 <3 Eu estava meio dodói... :/ Tive febre, minha voz simplesmente desapareceu, mas ja estou bem melhor! :D Beijinhos <3
Carol--- Linda! Acho que já sabe as respostas.... ou pelo menos a maior parte delas... :P Hehe Obrigada, mesmo! E depois daquela DM, no twitter? Aaaaaah como você consegueeeee? Menina, como eu te amo! Beijinhos, nunca me abandone U.u Te amo <3 <3 <3

Valeu galerinha! Amo vocês! Desculpa se eu esqueci de responder alguém... :s Pode cobrar! :) 
COMENTEM! :D

Beijemis, Bruna *-*

29 de mai de 2012

Be Yourself- Chapter 35


Chapter 35- We're fine...

-Hey, Dems- ele sorriu calmo- Vem cá.
Ashley se virou na minha direção quando ele fez isso, sorrindo. Fui caminhando até eles, com a cabeça baixa e os braços cruzados. Estava fazendo muito frio.
-Oi- disse quase que com um sussurro.
-Você sumiu, menina! Nem fala mais comigo, né? Só tem tempo pro Joe!- brincou- Tava com saudades- ela se levantou e me deu um forte abraço.
-Eu... também, Ash- sussurrei, sorrindo.
-Bom, vou deixá-los em paz- sorriu- A gente se fala depois.
Deu um beijo na bochecha de Joe e fez o mesmo comigo.
-Eu acho que... ela não ficou triste com você- deu de ombros, rindo sem humor- Senta aí- sorriu.
-É eu... também acho- ri.
Me sentei bem na sua frente. Eu encarava a mesa enquanto ele comia, mexendo no copo de refrigerante.
-Tenho que dar uma aula de futsal para as crianças daqui a pouco... - comentou.
-Eu... fiquei sabendo- disse- Me desculpa pela sua detenção- pedi um pouco envergonhada.
Ele me encarou confuso. Era óbvio que não admitiria ter sido minha culpa.
-Relaxa, vai ser legal- bebeu um gole de refrigerante- Quem sabe eu não arranjo um emprego aqui?- brincou sorrindo.
-Aham...- ri.
-Que foi? Duvida da minha capacidade?- fingiu estar ofendido.
-Nunca- garanti.
Rimos juntos e depois o silêncio predominou.
-Você não... queria ir a algum lugar hoje depois da aula?- perguntou, colocando uma garfada na boca.
-Sim, mas... deixa pra lá- forcei um sorriso- Eu já desisti mesmo- dei de ombros.
-Porque?- perguntou atencioso- Se quiser eu te levo mais tarde, a gente vai direto daqui ou eu te pego em casa...
-Não precisa, sério. Você vai estar cansado, não precisa fazer isso.
-Você realmente acha que eu me incomodo, né?- riu.
-Não é isso...- sorri- Eu sei que não se incomoda e que não vai desistir- revirei os olhos, rindo.
-Que bom que sabe. Bom, eu ainda vou te convencer mas... Pode me dizer onde quer ir?
-Não é nada importante...
-Então você pode me dizer- sorriu- Vai, você não quer ir sozinha, certo? Me diz...
-Eu ia... fazer a minha matrícula na academia de ballet...
-Jura?- disse animado- Fala sério! É claro que nós vamos! Se eu pudesse saia daqui agora... mas não quero uma suspensão...- fez careta.
-Ah, Joe...eu devia estar nessa detenção, não você! Que coisa- resmunguei- Eu sempre te ponho em roubada.
-Não é hora pra discutir. Eu fiz o que fiz por que quis, sabe disso!- garantiu- Mas... como sabe o porque de eu ter entrado na detenção?
-Foi porque eu... ouvi você aquela hora- confessei, envergonhada.
-Ah sim... Não sabia que estava ouvindo...- deu de ombros- Mas enfim, quando decidiu que voltaria a dançar?- sorriu.
Eu estava agradecendo por ele não tocar no assunto... mas não poderíamos ficar assim para sempre, evitando.
-Ah... não sei- dei de ombros- Aquele dia lá na sua casa me fez pensar em como seria. Era um sonho que eu tinha desde pequena- sorri.
-Porque parou?
-Meus pais achavam besteira. Assim como aprender música por exemplo. Eu não pude fazer nada, eles me tiraram da aula.
-Então está resolvido- se levantou pegando a bandeja- Vamos depois da aula lá- sorriu- Você não vai me fazer mudar de ideia.
Ele deu um sorriso sapeca e levou a bandeja até uma das moças da cantina, ficando de costas para mim.
-Aaaah... Fazer o que se eu fui arrumar um na...- percebi o que estava falando- Fazer o que se você é muito insistente- corrigi rapidamente.
Obviamente ele percebeu, mas nada fez. Nem sua reação eu pude ver, já que agora ele estava na fila para comprar alguma sobremesa. Se antes eu não sabia o que éramos, agora então seria quase maluquisse dizer que eramos namorados.
-Você vai ficar pra minha aula?- perguntou rindo, de onde estava, na fila.
-Claro, quero ver como se sai!- sorri.
-Hummm, que bom. Vou ter companhia- veio até mim com um sorvete imenso na mão.
Eu estava sentada no banco. Ele caminhou na minha direção, mas foi parar atrás de mim. Se aproximou, agachando e depositou uma das mãos levemente em minha cintura. Colocou sua cabeça entre meu ombro e meu pescoço, fazendo nossos rostos se colarem. Com a sua outra mão, levou o sorvete até minha boca. Tudo foi muito calmo e natural.
-Quer?- perguntou sorrindo.
Eu não pude evitar a mudança na minha respiração, o que sentia estando tão perto dele era surreal.. e estranho ao mesmo tempo. Eu não sabia mais o que acontecia entre nós e se antes já estava confusa, agora então eu nem arriscava um palpite. Também faltava a coragem para perguntar, além de parecer idiota. Eu havia mandado que ele sumisse da minha vida e também que esquecesse tudo que tínhamos. Agora eu agia como se isso tivesse sido simplesmente apagado... ele fazia o mesmo. 
-Que delícia!- forcei um sorriso, saindo to transe.
Depois que peguei um pouco do seu sorvete, ele me deu um leve beijo na bochecha e se afastou um pouco.
-Vem, minha aula começa aqui a pouquinho- riu.
Sim, ele percebeu que eu estava meio... 'envolvida de mais' em tudo aquilo. Mas o que eu faria? Ele estava me confundindo ainda mais com aquilo tudo! Ele não tocava no assunto, não me tratava diferente, nem parecia triste, chateado comigo. Mas também não era como antes. Talvez ele também não soubesse o que estava acontecendo.
Me levantei e me juntei a ele, andando ao seu lado, até a quadra. 
-Joe, eu... queria te dizer que eu não sabia muito bem o que estava falando naquela hora... e eu não sei o que está acontecendo agora também porque... eu não sei o que eu fiz...- disse um pouco confusa, envergonhada.
Ele se virou, parando para me observar. Fez uma carinha fofa que só ele conseguia e em um ato inesperado, segurou minhas mãos.
-Eu não quero falar disso agora. A gente tem muito que conversar, mas não sobre isso. Estamos bem, ta legal? Você quer assim?- perguntou calmo.
-Sim, é claro- afirmei.
-Então depois a gente fala sobre tudo o que aconteceu, eu não esqueci. Só... prefiro não tocar no assunto agora. Quando estivermos só nós dois em outro lugar, mais calmo, vai ser melhor- sorriu.
Levou uma de suas de mãos até meu cabelo, colocando uma mecha para trás e logo depois acariciando meu rosto. 
-Você está bem?- perguntou calmo, enquanto eu sorria.
Abaixei a cabeça, sem poder esconder todas as coisas que vieram a tona com esse pergunta. Ele percebeu e segurou mais fortemente minhas mãos, acariciando-as.
-Não...- sussurrei.
Eu não podia mentir para ele. Além disso, não era algo fora do comum, ele sabia que eu não estava me sentindo bem. Se por alguns instantes eu pude achar ou perceber que estava melhor, ou tinha esquecido parte do que havia acontecido, agora estava mais do que provado que não era verdade. 
-Quer conversar agora?- perguntou amigavelmente.
Esticou sua mão para levantar minha cabeça acariciando minha bochecha.
-Você tem que dar a sua aula, Joe...- o lembrei.
-E desde quando uma aula é mais importante que você?- questionou sério.
Não pude evitar em sorrir. Ele fez o mesmo.
-Obrigada, mas... eu acho melhor depois. Está sendo mais fácil tentar esquecer com você aqui. Eu prefiro continuar tentando.
Ele assentiu e foi se aproximando lentamente, me dando um abraço. Apertado e confortante. Tudo que eu estava precisando.


Continua...
Olá! :) Bem.. espero que estejam gostando :s Porque.... sei lá... eu acho que já não estão curtindo mais a história como antes :( Mas... pode ser só impressão :) Olha... eu estou doente, não sei o que eu tenho... mas só vou avisando porque eu vou tentar continuar escrevendo e postando... só não posso garantir nada até descobrir o que eu tenho :( Eu postei um hoje porque vocês acharam... pequeno (?) Chato (?) Olhem, eu já disse que não da pra ficar SÓ em disposição disso aqui! Não querendo me comparar com outras, mas eu acompanho VÁRIAS fics que tem 50 comentários por capítulo e ficam quase um mês sem postar! Então... por favor... tentem entender!
De qualquer forma, obrigada a todas! Amo vocês *-*
Não vou responder os comentários hoje.... mas li todos e AMEI *O* hahaha todas querem um namorado como o Joe, certo? Desculpem, ele já é meu marido U-U Hahahahahaha <3


CAMIIIIIIIIIII VOCÊ VOLTOOOOOOOOU \O/ OMG! Nem acredito nissooooo! *O* Menina, saudade é pouco pro que eu to sentindo! Como você está? :O Te amooooooo <3 P.S. EU LIGO, OKAY SENHORITA? U-u NUNCA MAIS, NUNCA, NUNCA, me abandone desse jeito, ouviu? Assim você mata a mamãe de preocupação! <3 <3 Se eu te desculpo? O que? JURA MESMO? Mas é OBVIO que eu te desculpo! Aliás, você não tem PORQUE me pedir desculpas! :O Beijocas, linda :3


É isso gente.... comentem muito, obrigada a todas! *-*




Beijemis, Bruna <3

28 de mai de 2012

Be Yourself- Chapter 34


Chapter 34- He loves me...

Fui até o pátio. Muitas pessoas vieram falar comigo, zoar, fazer piadinhas sobre a Demi. A maior parte era isso: "Como é namorar uma garota virgem? Deve ser suuuper legal". Aqueles idiotas não prestavam. A cada momento eu ficava mais irritado, nunca pensei que teria tanta vontade de encaixar minha mão sem nenhuma piedade no meio da cara de um desses infelizes. Mas não eram só eles. As meninas também abriam aquelas bocas cheias de gloss para falar. Mas qual era o grande problema que essas pessoas viam nisso? Eu aposto tudo que tenho que mais da metade daquela gentalha ainda é virgem. A minha paciência tinha limite.
-Ei, escutem aqui!- peguei o microfone, gritando, em cima do palco- Qual o problema de vocês?
Todos pararam para me encarar. O silêncio predominava até um engraçadinho se pronunciar.
-Vai defender a namoradinha? Vai mentir também?- ele riu.
-Desculpa, mas eu não me lembro de ter pedido sua opinião- disse sarcástico- Cala a sua boca, idiota- resmunguei.
Todos riam enquanto eu respirava fundo, tentando manter a calma.
-Eu posso saber do que estão rindo? Sendo sincero, vocês não tem coração. Querem saber? São todos uns imbecis, sem opinião própria. Basta um engraçadinho começar com as piadinhas que todos imitam. Porque fazem isso? Quero que me digam o que tem de errado. A Demi mentiu? Sim. Mas primeiro, isso não é da conta de vocês, a vida é dela. Segundo que ela reconheceu o erro e voltou atrás. Aliás, vocês são todos burros, caíram nas mentiras sem nem desconfiar. Mas isso não é motivo pra piadinhas. Eu até entenderia se vocês ficassem irritados ou não quisessem mais falar com ela mas... porque as risadas? O problema é que vocês não estão nem um pouco preocupados com as mentiras e sim com a vida dela. Qual é o problema em uma pessoa ser virgem? A gente tem 17 anos! E eu aposto que mais da metade aqui ainda é. Mas são todos covardes em não admitir, vocês não tem coragem. Ficam rindo dos outros mas quando o assunto é você, nada mais tem graça, certo? Se vocês querem saber, a Demi deve se orgulhar de ter feito o que fez naquela noite comigo. Ela teve a coragem de admitir e foi forte o suficiente para se recusar a fazer o que não queria, afinal, é um direito dela! A Demi não se deixou ser influenciada por outros. Já vocês, não teriam essa capacidade. Ela não ligou para o que as pessoas diziam, ela agiu por conta própria, fazendo o que achava ser certo. Isso é motivo de orgulho. Agora, se ela não tivesse feito nada, aí sim vocês poderiam zoar. Porque ela não teria tido a coragem suficiente pra passar por isso tudo. Vocês não a conhecem, não podem julgá-la e não tem o direito de optar sobre a vida dela. Cuidem das vidas de vocês, porque alguns prestam tanta atenção nas alheias que esquecem que tem uma própria. É só um recado e eu espero que pensem bem.
Todos ficaram calados. Desci do palco rapidamente e alguns ainda tiveram a capacidade de tentar se desculpar comigo. Mas não era a mim que deviam desculpas. Eu não queria ficar ali, então fui andando em direção a algum lugar- eu não sabia para onde estava indo.
Fiquei sentado em um canto da escola conversando com Mikey, pensando em como Nick havia descoberto tudo aquilo- mas não obtivemos sucesso. Pelo que fiquei sabendo, ninguém mais tocou no nome da Demi- não para falar mal- e duas outras palestras foram apresentadas. Obviamente eu não estava lá para assistir nenhuma delas, eu não tinha cabeça para isso. Não fui a procura de Demi, porque era impossível achá-la, além disso, tinha quase certeza de que, a essa hora, ela estaria em casa chorando. 
Logo o sinal bateu e fomos liberados. Mas como nada da certo pro meu lado, a diretora ficou sabendo do ocorrido e fui 'convidado' a ficar na detenção- não, eu fui obrigado mesmo- Seriam duas horas depois do horário e eu teria a incrível companhia de Nick e seus amigos idiotas. O trabalho não seria difícil, porém eu preferia ficar em casa- quem não?
Como não fiz nada tecnicamente... 'errado', fiquei com um dever... legal para cumprir. Eu teria que dar uma aula de futebol para alguns alunos que estavam sem professor hoje. Alunos pequenos, se me entendem. Eram crianças. Seria divertido.
Almocei por ali mesmo e não havia um sinal de Demi. Apenas poucas pessoas que estudavam comigo ainda estavam na escola, predominavam os alunos de séries menores. Eu estava muito preocupado com Demi e falaria com ela quando saísse daqui. Independente de tudo que ela me disse, não conseguia ficar triste ou chateado com ela, afinal, eu entendia completamente o que estava acontecendo. 

Demi on:
Depois do ocorrido, apenas me escondi no lugar mais vazio e solitário que consegui. Ninguém veio falar comigo, nem Joe me procurou. Minhas lágrimas não paravam de correr pelos meus olhos, eu me sentia sozinha, como se nada mais se preocupasse comigo ou como se fosse apenas eu. Dessa vez, a única coisa que queria era Joe, para me acalmar, me fazer sorrir e tirar a solidão de mim. Minha cabeça estava confusa e eu só conseguia chorar cada vez mais. Eu tinha medo de não tê-lo mais, de ele ter desistido de mim. Eu ainda não entendia muito bem essa história, não sabia se deveria acreditar mas... agora eu não queria pensar nisso, eu queria ele.
Nada estava dando muito certo. Quando resolvi que não conseguiria mais ficar lá, chorando sozinha, fui a procura de Joe. Andei devagar, com a cabeça baixa até a quadra, tentando controlar meu choro. Algumas pessoas riram de mim, mas tentei ao máximo parecer não ligar- o que não funcionou muito bem- outras falaram coisas das quais prefiro não me lembrar. Mas quando cheguei lá, Joe estava no palco, com o microfone nas mãos, dando um fora em um menino que provavelmente falou alguma besteira. Fiquei mais um tempo ali, até ele começar a falar. Me encolhi atrás da parede- para que ninguém me visse- e escutei atentamente a tudo que ele dizia.
Joe me defendia como ninguém nunca fez por mim. Tudo o que ele dizia, todas aquelas palavras eram a única prova que eu precisava de que ele se importava comigo. Espantei a ideia que surgiu na minha cabeça de que ele só estaria fazendo isso por pena, se sentindo culpado pelo que havia 'feito'. Isso não era possível. Eu nunca pensei que alguém- principalmente ele- faria isso por mim. Senti um aperto no coração por ter sido grossa com ele, mas sabia que entenderia. Ele falava docemente, mas mesmo assim irritado, fazendo com que todos calassem a boca e prestassem muita atenção- assim como eu- a cada palavra. Não era novidade que com ele, eu me sentia muito melhor do que sabia que era, mas agora, eu apenas consegui- por alguns segundos- abstrair toda aquela tristeza, solidão, dor que sentia. Fui capaz até de abrir um breve sorriso. Por ele.
Minha vontade agora era sair correndo até ele e o encher de beijos, receber o seu abraço, carinho, chorar em seu ombro, envolvida por seus braços, sentindo o poder que ele tinha de fazer tudo ficar bem. Mas me controlei, afinal, muita coisa ainda estava errada e ele me acharia maluca, mas tenho certeza que me receberia sem dizer uma palavra, apenas me confortando.
Quando ele terminou, obviamente meus olhos estavam repletos de lágrimas, só que agora, nesse momento, não era mais por todo aquele sofrimento de antes. Ele me fez esquecer um pouco aquilo. Joe era incrível, perfeito. Eu podia ver o tamanho do coração dele quando fez isso por mim, ele realmente se importava. 
Segui até meu canto escondido, permanecendo ali até sermos liberados e eu ter certeza de que não haviam muitas pessoas ali. Fui até o portão do colégio -quando já estava tudo mais calmo e meu rosto já não estava mais tão vermelho- a procura de Joe. Era impressionante como ninguém mais foi falar comigo, fazer piadinhas e rir. Alguns olhares estranhos ainda permaneciam, mas isso não era mais tão ruim assim.
-Liam, você viu o Joe?- perguntei um pouco envergonhada. Ele era o único que podia me responder e eu não encontrava Joe em lugar nenhum.
-Ah, Demi- ele sorriu, parando de conversar imediatamente com uma menina- Joe foi pra detenção... por causa do que ele fez lá na quadra- fez careta- Ele deve estar almoçando... vai dar aula de futsal pra alguns pequeninos- riu.
-Ah... que ruim- disse- Bom, eu... vou procurar ele. Obrigada- sorri.
-Espera, você ta melhor? Eu ouvi o Nick falando....
-Ah, eu... to bem sim- respirei fundo, forçando um sorriso.
-Eu vou fingir que acredito- sorriu- Vai falar com o Joe sim, ele ta bem preocupado com você. Ouviu ele... te defendendo lá na quadra?
-Sim...- abaixei a cabeça- Eu.. vou falar com ele. Obrigada, Liam.
Sorri e fui correndo até a cantina. Me aproximei com calma e vi Joe sentado em uma mesa almoçando e conversando com Ashley. Eles riam, dando gargalhadas. Haviam apenas algumas pessoas ao redor.
Parei um pouco mais a frente, pensando se ia ou não até lá. Antes que pudesse tomar qualquer decisão, Joe me viu.


Continua...
Heeeey! :D Como vão? Gostando? Estou AMANDO esses comentários, amo muito vocês! Olhem, me desculpem mesmo por não postar todo dia, mas acho que não demoro tanto assim como alguns dizem... não é? :/ Gente, eu juro que faço de TUDO, mesmo, para postar aqui! Todos os dias é meio impossível, porque eu tenho várias coisas para fazer e minha vida está uma loucura! Sem contar com a falta da criatividade, mas.... enfim... agradeço muito aos comentários e peço perdão mais uma vez. Obrigada a todos *-*


Lara, Isabbela, Diana, Anônimo, Demistar & Bruna::: Obrigada, amores! <3 <3 <3 Beijocas :3
Stephanie:::: hahahahahaha O.o Beijos :)
Mariane:::Coitados mesmo :( Mas tudo vai ficar bem :) Beijos <3
Thalia::: Hahahaha aaaawn eu sei, amore! Obrigada, de verdade! Beijemis <3 <3
Carol::: Eu já disse que não tenho mais palavras para te responder? :( Isso me deixa triste :( Hahaha já já você descobre... :P Te amo muito, bb! Beijocas <3 Obrigada por tudo, você é incrível! *-*
Luanna::: Desculpa se eu demoro, mas... o máximo que eu passo é 3 dias sem postar... e nem sempre é isso :s É que eu tenho muitas coisas para fazer além disso.. mas enfim, desculpa e eu vou tentar postar mais rapidamente. Obrigada :)
Camilla::::::: hahahaha Calmaaaa! Haha beijocas :D
Tinna::: Aaaaaah eu estou morrendo de preocupação! Meu Deus, o que será que aconteceu?!?! D: Qualquer notícia, me avise, por favor! ..................Obrigada, amore! Beijos :)


Obrigada, galerinha! Amo vocês <3 E comentem muito, por favor! :D


Beijemis, Bruna <3





25 de mai de 2012

Be Yourself- Chapter 33


Chapter 32- Leave me alone!...

Joe on:
Chegamos no pátio e a diretora já não estava mais lá. Fomos caminhando e conforme fazíamos isso, algumas pessoas cochichavam coisas, outras riam discretamente- ou na maior cara de pau- e nos encaravam com olhares maliciosos, ridicularizantes ou debochados. Eu não entendia nada e Demi parecia bem incomodada com tudo que acontecia.
Um grupo de garotos- muito idiotas por sinal- tomou o microfone, subindo ao palco. Eram mais ou menos 5 e me surpreendi ao ver que Nick comandava os outros 4.
-O que ta acontecendo?- perguntei a um menino que estava próximo de nós, sussurrando coisas também.
Antes que ele pudesse responder, meu irmão começou a falar. Ele ria e encarava Demi. Ela foi se aproximando aos poucos do palco. Fiz o mesmo. 
-Bom gente... como a maioria de vocês deve saber, Demi não é bem quem nós pensávamos. Mas... eu gostaria de compartilhar umas coisas com vocês. Afinal, fomos enganados durante um tempo- ele sorriu ironicamente.
-Como... como assim?- Demi sussurrou assustada, encarando Nick, sem entender nada.
Automaticamente, os olhares de todos se viraram para nós, Demi abaixou a cabeça. 
-Eu soube por... uma pessoa- ele me encarou pesadamente, Demi fez o mesmo, depois se virou para frente novamente- Que... naquela noite, onde alguns de vocês estavam lá em casa, por causa do desafio que a Demi escolheu, ela foi 'obrigada' a passar uma noite com Joe. Se lembram?- ele riu descaradamente- Pois bem, eu não estava lá para presenciar isso, infelizmente- deu de ombros- Mas, depois que vocês foram embora, as coisas não aconteceram como o planejado. Muitos já sabem, mas vou explicar melhor para aqueles que chegaram agora- sorriu cinicamente- Além de ela ter se recusado a terminar com Joe o que haviam... começado, a Demi preferiu fazer as coisas um pouco diferentes.
-Joe- Demi me encarou por um instante, com os olhos cheios de lágrimas. Meu coração se partiu. Mas antes que eu pudesse fazer alguma coisa, Nick continuou.
-Você se lembra, Demizinha?- perguntou- Do escândalo que fez por causa disso? Pois é. Para aqueles que achavam que essa garota era a mais popular, que ficava com todos os garotos...e transava com eles- sorriu maliciosamente- Estavam enganados. Que mico em, Demi!- balançou a cabeça em reprovação- Além de ser uma mentirosa de primeira categoria, fingia ser quem não era? Você não tinha vergonha suficiente? Precisou aquela noite lá em casa pra você tomar vergonha na cara? Acho que aquilo bastou para te envergonhar, certo? Chorou, berrou, implorou pro Joe não fazer nada... Óh coitadinha- disse sarcástico- Agora achou que poderia simplesmente fingir que nada aconteceu? Não é bem assim.
-Nick!- gritei em reprovação.
-E você, Joe? Ficou com peninha da Demi, não é?- ele riu- Ela não merece pena, não merece nada. Bom... eu acho que já estão avisados de tudo. Podem rir, eu sei. É deprimente a situação dela. Eu só queria deixá-los informados.
E então ele desceu do palco, junto com os outros- que não faziam nada além de rir- e eles passaram por nós.
-Não é legal mentir, Demi. A verdade sempre vem a tona- sussurrou, rindo.
Foram cerca de segundos até todos começarem a rir, falando coisas nada legais para Demi. Tudo aconteceu muito rápido, eu estava sem reação.
Ela me encarou rapidamente, seus olhos estavam cheios de lágrimas e ela já chorava muito. Virou de costas e saiu correndo, empurrando todas as pessoas que estavam na sua frente.
----------------------------------------------
-Seu idiota, porque fez isso?- perguntei a Nick, muito irritado.
-Ah Joe! Fala sério, ela mereceu. Corre atrás da sua namoradinha. Vai perder seu tempo discutindo comigo.
E foi o que eu fiz. Ele estava certo, me resolveria mais tarde com aquele imbecil. Corri até a entrada do colégio, procurando por Demi. Passei pelas salas, refeitório, cantina, bancos, enfim... ela não estava em lugar nenhum.
Caminhei apressadamente por todos os cantos possíveis, e a encontrei sentada do lado de um banco, muito pequeno, onde provavelmente todos passariam sem perceber a presença dela.
-Demi...- chamei de aproximando.
Ela chorava muito. Eu me sentia péssimo com aquilo, ainda mais por não ter feito nada para impedir. Mas a verdade é que eu não sabia o que fazer. Suas mãos cobriam seu rosto, ela soluçava sem parar- nem para respirar direito. Não mexeu um músculo quando eu me aproximei, apenas abafou mais no choro, escondendo o rosto entre as pernas.
-Hey... não fica assim, por favor. Vem comigo, lava esse rosto e vamos voltar para lá- sussurrei, me agachando ao seu lado.
-É essa a sua ideia brilhante, Joe? - levou seus olhos até os meus- Todo mundo ta rindo e falando de mim. O que você quer? Me ver pior?
-É óbvio que não, Demi! Eles não tem do que rir e você não pode se esconder. Eles tem que ver que você é mais forte. Não pode dar a eles a chance de te abalar assim!
-Porque você fez isso? Aliás, o que está fazendo aqui? Você já estragou a minha vida, quer me ver sendo mais humilhada? Como foi capaz? Eu confiei em você! Eu te contei tudo, você sabia!
-Mas eu...
-Não fala mais comigo- gritou- Me esquece! Esquece que um dia eu fui sua amiga ou... sei lá o que nós eramos.
-Éramos, Demi?- e encarei- Porque... porque ta fazendo isso?
-O que você queria quando se aproximou de mim, Joe?- ela me ignorou- Sei lá... era tudo fingimento? Você mentiu pra mim?
-Demi, para! Do que você ta falando? Eu não sei o que eu fiz- disse nervoso- Não fui eu que contei aquilo pro Nick! Eu não sei como ele descobriu!
-Ah, por favor, Joe! Então como ele soube? Bola de cristal?- sorriu sarcástica- Sai daqui!- ela ainda chorava muito- Porque eu tive que ser tão idiota? Achar que você me ajudaria, que era tudo verdade, porque eu acreditei em você?- ela gritou.
Ela estava descontrolada, mas eu podia- ou tentava- entender como se sentia. As lágrimas caiam pesadamente de seus olhos, ela gritava e cada hora chorava mais. Ela levou novamente as mãos até o rosto e se encolheu mais.
-Demi, acredita em mim! Olha, me desculpa se eu fiz alguma coisa, ou até deixei de fazer mas não fui eu que contei ao Nick!- disse calmamente- Por favor, se acalma- pedi acariciando seu braço.
-Como ele soube, Joe?- perguntou, ainda sem me encarar.
-Eu não sei, Demi. Mas eu vou me resolver com o Nick... só que antes eu quero que fique bem.
-Vai embora, Joe! Porque eu deveria acreditar em você.. de novo? Você era o único que sabia, você sabia de.. tudo! Já não conseguiu o que queria? Me deixa agora, eu só quero.. sei lá... quero que suma daqui!
-Porque você ta fazendo isso? Eu já te disse que não fui eu! Eu vou encher o Nick de porrada quando chegar em casa- resmunguei comigo mesmo.
-O Nick só facilitou as coisas para você, Joe. Ele te ajudou- sussurrou.
-Demi, por favor. Eu entendo como se sente e porque está assim. Mas eu só quero te judar- disse um pouco angustiado- Você não quer voltar pra lá? A gente fica aqui, ou... eu te levo embora. Quer?
Ela não respondeu nada. Me encarou por alguns segundos mas logo desviou o olhar, como se o que eu falasse fosse algo surreal ou idiota. Só faltou ela revirar os olhos para eu achar que algo realmente estava errado. Ela abriu um sorriso, soltando uma leve risada sarcástica, quase que impreceptível, balançando a cabeça em reprovação.
Me aproximei mais, sentando na sua frente. Ela se encolheu um pouco, mas eu podia perceber que ela só queria um abraço, talvez um ombro amigo para chorar ou conversar um pouco. Respirei fundo algumas vezes, tentando pensar no que faria. Estiquei minhas mãos, deixando que ficassem esticadas bem na sua frente. Ela as encarou, depois levou seu olhar na minha direção. Ainda parecendo um pouco pensativa, deixou que seus mãos se encontrassem com as minhas. Ela podia estar indecisa, mas não conseguiu deixar que isso a impedisse de fazer aquilo. Eu via em seus olhos que ela precisava disso.
-Escuta... acredita em mim- pedi sem mais argumentos- Eu juro que não fui eu, Demi. Mas... olha, eu não ligo pro que disser. Eu sei que não está bem, pode colocar a culpa em mim. Entendo que não esteja em condições de pensar, mas por favor, me diz que você não está triste comigo. Eu só quero tentar fazer com que se sinta melhor. Eu quero conversar com você, Demi. Te abraçar e dizer que tudo vai ficar bem, e mesmo que isso pareça inútil, eu vou conseguir.
Nenhuma palavra novamente. Decidi esperar um pouco, talvez, quem sabe, ela mudaria de opinião sobre o que acontecia e me deixaria tentar. Mas nada aconteceu. Depois de um longo tempo, estávamos lá, ainda na mesma posição, sem trocar palavras. Suas mãos estavam fortemente juntas com as minhas, como se ela precisasse disso para continuar ali. Sua cabeça estava relativamente baixa e eu não ouvia nada além do barulho do choro abafado. Tudo o que via eram as lágrimas caindo desesperadamente.
-Me... deixa sozinha- sussurrou tão baixo que quase não ouvi.
Seu choro apenas aumentou. Para mim, ela não queria dizer aquilo, pois parecia ter ficado bem pior depois dessas palavras. Mas eu não faria nada. Era a hora de deixá-la pensar. Talvez, fosse preciso apenas um tempo, para que ela conseguisse assimilar tudo e entender o que realmente acontecia e tudo o que passava pela sua cabeça. Um tempo sozinha.
-Você quer que eu vá embora?- me levantei- Eu vou. Mas saiba que eu ainda estou aqui pra você- disse.
Senti algo estranho quando nossas mãos se separaram. Era como se uma corrente acabasse de ser partida. Demi não queria soltar, não queria que eu fosse embora ou a deixasse. Mas precisava disso. 
Abraçou as pernas com as mãos. Foi a última coisa que vi. Segui em frente, tentando não olhar mais para trás. Se fizesse isso, provavelmente não conseguiria continuar o caminho.


Continua....
Triste :( Eu escrevi e quando fui ler de novo quase chorei :'( Enfim... tudo bem, amores? :) Espero que sim e que estejam gostando! 8') E esses comentários? *o* Cada vez mais perfeitos.... Oh God! Como conseguem??? :O Bom... Eu sei que ficaram curiosos...hehe Então, COMENTEM! 
Dallas, meu amor! Onde está você? :( :( :( 
É isso, galerinha! :) Continuem comentando muito! E muito obrigada a todos, amo vocês <3


Mariane :::::::Hello, babeee! Hahaha :) Estou bem, e você, linda? *-* Owwwnt que fofa! Obrigada, love! <3 Kisses :3
Stephanie & Luanna:::::: Obrigada, lindas! Hehe :D
Lara::::::: Amoooor! Estou bem, e você?? :D Saudades também! <3 Obrigada, fofa! <3 Beijocas *-*
Isabbela:::::: Haha obrigada! Bom... tem algumas das que eu leio aqui no blog! É só ir lá em baixo, no fim da página, tem assim: "Eu Leio" ! ;) 
Camilla, Luana & Demistar::::::::: Awn obrigada, fofas! <3
Anônimos:::: Ah, obrigada! *o* Hehe <3 Eu também... era o que eu mais queria... que Jemi fosse assim na vida real :(
Iris::::: Que linda, você voltou! Hahaha obrigada, amore! Beijocas :3
Bruna::::::: Owwwwwn obrigadaaaaaa <3 Beijos *-*
Carol:::::::: SUA. LINDA! Cara, sério, sem palavras! Te amo muito, não se esqueça! Esou aqui para o que você precisar! É só chamar! <3 Aquele dia eu não fiz nada! Não tem que me agradecer! Eu AMO te 'aguentar'! Hahahaha #forever <3 Beijocas, meu amor! Obrigada VOCÊ por TUDO! <3 <3 <3 <3 #StayStrong


Gente, deem uma passadinha nesse blog http://myheartjemi.blogspot.com.br/ :)

Beijemis, Bruna *-*

22 de mai de 2012

Be Yourself- Chapter 32 * Especial Jemi ¹*


Chapter 32- I love everything about you...

-Ah, eu fico feliz que estejam bem- Miley sussurrou, depois de um longo tempo observando o mesmo que eu- Eu tenho certeza que o Joe te ama.
-É eu... também- sorri.
-Você ta bem? Parece... sei lá.. estranha- comentou.
-Não acha que a Selena está diferente? Sei lá...
-Demi, lembre que a amizade do Joe e da Selena sempre foi muito forte. Talvez você esteja vendo com outros olhos agora que está acontecendo algo entre você e ele mas... tenta não confundir as coisas.
-Verdade- concordei- Está certa. Eu acho que ainda estou meio... abalada com isso que aconteceu entre eu e ela.
-Olha... eu não devia estar falando isso mas...- respirou fundo- A Selena realmente está magoada com você, mas... ainda mais por causa do Joe. Eu acho que ela tem ciúmes de vocês, não sei- deu de ombros.
Apenas ergui levemente as sobrancelhas, fingindo não me importar muito e voltei meu olhar para eles. Sorri ao perceber que Joe vinha em minha direção, mesmo que parando a todo momento para falar com as pessoas que se encontravam pelo caminho. Ele era popular- muito- mas acima de tudo, simpático. Ele não ligava se era um popular, nerd esquisito ou um excluído sem definição.
Subiu lentamente os degraus, se ajoelhando bem na minha frente, colocando a mochila- que antes estava em suas costas- ao seu lado, e suas mãos carinhosamente em minha perna.
-Oi- me deu um selinho- Hey Smile!- era um apelido carinhoso do qual chamava Miley- Como foi a noite com o Liam aquele dia?
-O que? Dessa eu não estou sabendo- me virei para encará-la, sorrindo.
-Pois é- Joe sorriu- Eu soube de algumas coisas....
Miley o interrompeu com um tapa no braço. Ele apenas reclamou rindo. Miley já estava um pimentão.
-Joe!- advertiu.
-Que é? Ah... fala sério, Miley! Você já me contou tanta coisa!- Joe sorriu- Eu já ouvi o lado do Liam, quero saber o seu agora.
-Quer que eu fale aqui? Na frente de todo mundo?- perguntou, sem conseguir desfarçar o sorriso.
Joe olhou em volta. Estávamos somente nós. Haviam até algumas pessoas por perto mas... ninguém nos observava nem prestava atenção.
-Que 'todo mundo'?- perguntou rindo, confuso- Vai Miley! Fala garota!
-Joe... porque está tão interessado?- me meti na conversa que aparentemente era entre eles.
-Eu quero saber se meus conselhos serviram. Pelo que parece, sim- sorriu orgulhoso.
-Você... pediu conselhos pro Joe?- perguntei encarando Miley- É isso mesmo que eu to pensando?- ri sem humor.
-É, eu... falei com ele. O Joe da realmente bons conselhos, se não fosse ele...- sorriu.
-Uau- eu disse surpresa.
-Que foi? Eu sou um bom amigo. Meus conselhos funcionam- riu.
-Não... eu sei disso- sorri- Mas... sei lá, achei... estranho- fiz uma careta, rindo.
-Ta legal... eu sei que devia falar com uma amiga mas... acredite, o Joe é melhor. Além disso, se não fosse por ele eu e o Liam não estaríamos juntos.
-É... vocês deram trabalho- riu- Mas acho que consegui. Enfim, você ainda não disse nada...- precionou.
-Ah Joe... Você sabe... foi perfeito. Você estava certo, não tinha razão nenhuma pra medo- sussurrou, envergonhada.
-Eu disse- sorriu- Não sei porque vocês colocam essa coisa na cabeça- revirou os olhos.
Me senti um pouco incomodada com a situação, mas deixei passar.
-Bom gente, vou indo- Miley disse se levantando- Vou falar com o Liam.
Sorriu e saiu saltitante. Eu e Joe apenas rimos, e ele se sentou ao meu lado.
-Então... eu nem perguntei como você estava hoje- fez careta- Tudo bem?
-Sim, tudo- forcei um sorriso.
Ficamos em silêncio e logo depois a diretora da escola pediu a atenção de todos pelo microfone. Anunciou que teríamos uma palestra, sobre um tema sem importância para mim. Os aulos diminuíram as conversas, afim de prestar atenção. Mas logo depois desistiram. Aos poucos, foram se dirigindo as cadeiras que estavam bem na frente do grande palco, montado por causa da palestra.
Me levantei da arquibancada, assim como a maioria dos alunos. 
-Ei- Joe puxou meu braço. Me virei para encará-lo- Quer mesmo assistir a isso?
-Não, mas...
-Podemos dar uma fugidinha- sorriu- Vamos... Eu quero passar um tempo com você.
Sorri em sua direção e ele segurou minha mão, me levando até o jardim do colégio. Era bem afastado do local onde estava acontecendo aquele fuzuê e ficaríamos bem à vontade. Fomos saindo discretamente, sem deixar que ninguém percebesse. 
-Ufa! Aquela palestra deve ser um saco- resmungou- Agora podemos ficar em paz- sussurrou.
Ele foi se aproximando, segurando em minha cintura.
-Agora eu posso te beijar muito, muito, muito- disse distribuindo beijinhos pelo meu pescoço.
-Porque... só agora e aqui, Joe?- deixei minha curiosidade falar mais alto, me afastando um pouco.
-Ah Demi... a gente só fica mais à vontade assim- deu de ombros.
Antes que eu pudesse tentar falar alguma coisa, ele selou nossos lábios, calmamente. Estávamos envolvidos no momento, eu não me dava conta de nada que acontecia ao nosso redor. 
-Joe, Demi?- ouvi uma voz que se aproximava.
Nos separamos e logo Ashley apareceu. Ela estava sorridente e caminhava em nossa direção.
-O que estavam fazendo?- perguntou curiosa- Eu achei...vocês... estão ficando de novo?
-Mais ou menos- Joe fez uma careta engraçada.
-Foi por isso que você desmarcou comigo, Joe?- ela parecia desapontada.
-Desculpa, Ashley... eu..- ele tentou se explicar.
-Tudo bem...- forçou um sorriso- Vocês ficam bem juntos. Antes não era um problema pra você ficar com várias, mas... enfim, eu quero dar o convite do meu aniversário pra vocês.
Ela sorriu- por incrível que pareça, não era falso- e nos entregou o convite rosa com bolinhas pretas, com um lacinho dourado no meio- típico da Ashley.
-Espero vocês lá, até mais- saiu sorrindo, indo em direção a quadra.
Joe abaixou a cabeça, rindo. Abriu o convite- eu fiz o mesmo- e começou a ler em voz alta.
-É uma festa na boate mais famosa da cidade- comentou- Só ela mesmo.
-Famosa.... nunca ouvi falar- eu ri.
-Jura? Você não vai a boates?- perguntou surpreso.
-Não... eu não sou muito fã- dei de ombros.
-Você vai na festa?
-Talvez... acho que tudo tem uma primeira vez- sorri e ele fez o mesmo, lembrando do que ele havia me dito outro dia.
-Assim que se fala- me deu um abraço de lado.
Sentamos debaixo de uma árvore, eu estava em seu colo e Joe acariciava meu cabelo, sussurrando coisas como 'você é maravilhosa' ou 'eu te amo muuuuito'... eu apenas ria e sorria. Ele segurou minha nuca, acariciando minha bochecha e iniciou um beijo intenso.
-O que você mais gosta em mim?- perguntei depois de um tempo.
-Como assim? Eu amo tudo em você- me roubou um selinho.
Ele tinha seus braços ao meu redor e eu estava na sua frente.
-Não, Joe...- sorri- Me diz... alguma coisa que você goste em mim.
-Tudo bem... mas acho que vamos ficar aqui até amanhã- eu ri- Bom... eu AMO o seu sorriso, o seu jeitinho tímido, as coisas que fala, o modo como faz as coisas, o fato de não deixar de ser quem é por causa dos outros, a sua força, seu carisma, seus olhos, seus beijos- eu ri- tudo o que você fala, seus abraços, as coisas que você me faz sentir, o jeito como você consegue tornar tudo melhor, a sua calma, sensibilidade, seu carinho... enfim- respirou fundo- Eu amo você.
-Uau...eu...- sorri e lhe dei um beijo calmo. O mais apaixonado que podia- Ninguém nunca me disse nada parecido...- abaixei a cabeça sorrindo.
-Tudo tem uma primeira vez- disse cantarolando, rindo- E você? O que gosta sobre mim?
-Essa é dificil... são tantas coisas que eu AMO em você, Joe- sorri.
Segurei sua mão, entrelaçando nossos dedos e envolvi minha cintura com seus braços. Apoiei minha cabeça em seu ombro, fitando o céu.
-O jeito como age comigo, como é paciente e compreensivo. Sua risada, suas palavras, sua sensibilidade, as suas atitudes, seu jeito extrovertido, engraçado, simpático, espontâneo, carinhoso, como consegue fazer tudo ficar melhor, como me ajuda, me faz sentir bem, conversa comigo, me faz sorrir, me anima, tira a tristeza e a vontade de chorar, quando me olha nos olhos, quando diz que me ama. O seu sorriso, seus olhos, o coração de ouro que têm, como nunca desiste de mim, sempre tenta concertar as coisas, faz tudo da melhor maneira possível. Os seus abraços, seus beijos, seu carinho... Eu amo tudo em você. E... tem muitas outras coisas, mas o sinal acabou de tocar- ri e ele fez o mesmo.
-Eu te amo muito, viu? Não esquece disso- pediu me roubando um selinho- Você é incrível. E eu só faço essas coisas por causa de você.
-Não, Joe... você sempre foi assim. Só não.. demostrava muito. Mas eu não tenho nada a ver com isso.
-É claro que tem, Demi. Eu voltei a ser quem eu era por sua causa.
-Tudo bem... mas esse 'Joe' só estava escondido aí dentro, eu apenas dei um empurrãozinho. Enfim... você sempre foi essa pessoa maravilhosa, compreensiva... - sorri lhe dando um abraço.
Ele sorriu e me deu um último beijo antes de irmos em direção ao pátio. 


Continua...
Olá :) Como estão? Bom... eu vou confessar algo a vocês... Minha criatividade está ZERO. A inspiração não vem... eu não estou muito bem :( Mas enfim... isso ainda não é um problema. Aos poucos tudo vai se acertando e eu estou tentando escrever :) Bom, gostaram? Olha, gente... eu nem sei como dizer o quanto vocês vêem me deixando feliz e surpresa com esses comentários! *o* Muito obrigada, de verdade! Isso significa o mundo para mim! Só por favor, entendam que eu faço de TUDO para postar o mais rápido que eu consigo, e ainda mais agora, com tantos comentários, as vezes eu até me sinto culpada por não poder postar assim que leio cada palavrinha aqui. Por isso, eu peço que entendam e juro que vou me esforçar! Gente... eu já pedi algumas vezes e vou pedir de novo, anônimos, SE IDENTIFIQUEM! Por favor! Olha, se forem pessoas que já comentaram comentando de novo, eu não ligo, juro! Mas por favor, digam quem são... :) Obrigada, gente! Por tudo mesmo! Amo muito vocês! <3


Dallas::::::::::: SEM palavras para você, pudim! Hehe *-* Muito obrigada por tudo, de verdade! Você é.... incrivelmente especial para mim, não duvide disso! Seus comentários... nossa! *o* Eu fico radiante em saber que tem gente que ama tanto a minha fic assim.... só tenho a agradecer! Tem twitter, meu amor? Te amo, babe! <3 Beijocas :3 
Carol:::::::: MY BABY! Eu senti tanto a sua falta! Ahhh disso você já sabe... hummmmm Te amo muito <3 Já sabe também, certo?! Mas não importa, eu não canso de falar :3 hehehehe Obrigada, linda! Você é maravilhosa! Obrigada por estar sempre aqui, comigo. Por nunca me abandonar! <3 Beijos, amor! *-*
P.s. Nem preciso mencionar seus comentários, né?! Menina... não se pode avaliar perfeições ;')
Meu amor.... seu dia foi ruim? Porque? (sei que estou um pouco atrasada mas...) Espero que tenha melhorado! :/ Love u! <3
Lara:::::: Hey! Sinto sua falta :( Te amo <3 Obrigada por tudo! *-*
Bruna Martins:::::::::: Hahaha obrigada! =*D É muito importante para mim, sério! :D
Isabbela & Luanna:::::::::: Haha obrigada, amores! Beijocas :3
Anônimo::::::::::::: :s desculpa, não entendi muito bem.... :/ Bom, eu não posto TODOS OS DIAS... as vezes eu até consigo, mas sem muita garantia.... :) Como assim... "pegar o site" ?? :O Não entendi... :/ Mas obrigada de qualquer jeito! Haha :)
Stephanie::::: Hehe obrigada :) 
Lisa:::::::: Vocês amam uma cena hot, né? Haha obrigada, amore! *-* Beijos :*)
Camilla:::::::: *o* Obrigada, linda! <3 Aí está o capítulo, espero que tenha gostado! :)
Lana::: Awn conheço sim! Eu já li a outra fic dela! :D É verdade, a dela é beeeeeeeeem hot, MESMO! :O Mas eu... não fui feita para escrever coisas assim... lol hahaha Obrigada! :) Beijos **
Aline:::::::: Hehe obrigada! :D
Tinna::::::: Obrigada, amore! :)
Biaaaaaaaa::::::::: ONDE VOCÊ SE METEU, MENINA? O.O Morrendo de saudadeeees :( Apareça aqui para falar comigo :/ Se quiser, me procura no twitter... :) Te amo <3 E obrigada por tudo! Você é INCRÍVEL! <3 <3 <3
Diana:::: Ooooolá! Seja bem- vinda! :D Obrigadaaaaaaa, fofa! *-*
Mariane:::::: Outra que sumiu, né? :( :( :( Não me abandone :/ Obrigada, linda! Beijos <3
Jemi Uma História De Amor & Jemi Uma História Inesquecível :::::: Own obrigada, lindas! Beijocas :3


Enfim, gente.... OBRIGADA A TODOS, de verdade! Vocês são os melhores! Amo muito minhas jemians <3 <3 <3 Esses comentários aaaaah jhowdfbrwoj  me matam! *o* 
Quem quer saber se eu tenho twitter >>> @WithJemiJonato :) Me procurem lá :)
Desculpa a quem está achando a fic "morta" ou "sem graça"... sei lá... Mas... olha, vocês acham isso? Um anônimo comentou e eu não estou brava nem nada, até porque eu pedi que dessem suas opiniões, criticas... é pra isso que servem os comentários, mas.... triste eu fiquei sim :( Só que não importa! Quero saber se os outros também pensam assim..... Respondam :) 


Divulgando esse blog ----> http://jemimegeradomada.blogspot.com.br/ :) Vale a pena dar uma olhadinha! *-* 

COMENTEM, MUITO! :D


Beijemis, Bruna <3

19 de mai de 2012

Be Yourself- Chapters 30 & 31 { Especiais Jemi}


Chapter 30- Give me a kiss...

Era assim que estávamos. E não seria nada legal se alguém entrasse no quarto agora. Nos beijávamos com desejo, o beijo era simplesmente perfeito. Nossas línguas- como sempre- estavam em sintonia, brincando uma com a outra. 
Ele me deu um único beijo no pescoço, calmo e leve. Mas logo voltou seus lábios para junto dos meus. 
Ele apoiou seus cotovelos no chão, fazendo com que ficasse um pouco curvado para frente.
-Você é linda- sussurrou sorrindo- Minha linda- me roubou um selinho.
-Eu fiquei com medo- disse- Do que podia acontecer entre a gente. Eu não queria ficar sem você.
-Isso não vai acontecer, tudo bem? Eu prometo não pisar na bola de novo- riu sem humor.
-Tudo bem...- ri.
-Sério... não deu, Demi... você é muito gostosa- franziu o cenho- Com todo respeito.
Ri escondendo minha cabeça em seu peito.
-Ah, Joe...
-Deixa pra lá, eu só tinha que dizer isso. Agora eu já me sinto melhor- rimos juntos.
Ficamos um tempinho rindo e conversando. Depois de algumas... horas- talvez- percebi que aquilo já não estava mais legal.
-Joe... isso ta estranho- comentei rindo. Ele fez o mesmo.
-Ah, Demi... você é demais- balançou a cabeça em reprovação, rindo.
-Ué, é verdade. Isso não é normal- revirei os olhos- Não pra mim.
-Eu não me importo- deu de ombros.
Levantamos com calma e selamos nossos lábios mais uma vez. 
-E você, melhorou?
-Sim... foi uma febre meio maluca... já passou- sorri.
-Que bom- ele sorriu.
Envolveu minha cintura com seus braços.
-Eu gosto de ficar assim com você... eu me sinto bem- deu de ombros.
-Assim como?- sorri.
-É.... boa a sensação de estar com a sua melhor amiga, não sei... ficar junto com você, rindo, assistindo um filme ou só... junto mesmo me faz bem.
-Então... só gosta de ter a minha companhia?- perguntei um pouco desapontada.
-Não, Demi... é claro que eu gosto de te beijar e fazer coisas que amigos não fazem- riu- Mas eu me sinto diferente quando está aqui comigo. Mesmo que seja só como amiga, você me faz sentir a vontade. É como se... eu sinto que não existe só esse lance de 'amor de casal' entre a gente. Existe amizade também.
-Eu... vou ser sincera com você.
Me soltei de seus braços e caminhei até uma outra ponta do quarto, ficando de costas para ele.
-Esse lance da amizade... eu sentia mais isso quando a gente não tinha nada. Agora parece que... a única coisa que importa é o 'casal'...
-Jura?- ele se aproximou, acariciando meu braço, me envolvendo.
-É que... A gente tinha um rolo, depois viramos amigos e agora temos um rolo maior ainda- ri sem humor- Não tem muita amizade nisso. Parece que a gente saiu de uma coisa e simplesmente voltou para ela. Não existia aquela amizade... ela nunca existiu.
-Você sabe que eu to aqui, acima de tudo, como seu amigo, não sabe?
-Eu....sei, Joe...- ele percebeu que eu estava meio indecisa.
Segurou cuidadosamente minha cintura, fazendo com que eu me virasse para ele.
-Independente do que exista entre nós, eu sou seu amigo, Demi. O que acontece entre nós não é só 'romântico'... ou pelo menos não é pra ser. Pra isso tudo poder existir, tem que existir a amizade também. Você se lembra de dizer que eu era seu melhor amigo?
-Sim, claro- sorri- Mas aquilo foi tão... rápido. Passou depressa... logo depois tudo mudou entre nós. Eu sinto como se... só existisse entre nós esse lance de 'ficar'.
-Porque você acha isso?
-Ah, Joe....- suspirei- Eu sei que isso ta errado e é idiotisse... mas, sei lá... isso veio na minha cabeça agora.
-Demi... Você tem que confiar em mim como seu amigo, antes de qualquer coisa. Eu to aqui pra tudo, isso não é novidade. Quando você tiver um problema, eu quero que me procure, quero que venha até mim sabendo que eu vou estar aqui para te ajudar. Você vai falar com o Joe, seu amigo. Você é a minha melhor amiga, sabe disso.
Ta legal. Agora eu estava confusa. Tinha confundido a mim mesma. O QUE eu havia dito? Isso não tinha a mínima lógica, o mínimo sentido. Era como se uma outra pessoa estivesse falando por mim, isso não era normal. É claro que eu não pensava isso, como pude abrir a boca para falar tamanha idiotice?
-Não, não... eu.. não sei porque eu disse isso. Eu fiquei meio... sei lá. Isso é maluquisse... o que eu falei, eu... to ficando maluca, Joe- as palavras saiam rapidamente- Eu não entendo porque falei isso. Eu sempre confiei em você, mais do que em mim mesma. Eu sinceramente não me entendi agora. É claro que você é meu melhor amigo, eu... Ah, esquece isso.
Ele riu de como eu falava, mas depois foi ficando sério de novo.
-Eu fco feliz e... confuso por isso- fez careta e eu ri- Mas se você disse isso é porque realmente pensa assim. Tem alguma coisa dentro de você que acha isso.
-Não, não tem- garanti rindo- É uma completa maluquisse! Até pouco tempo eu só pensava em como eu confiava em você e como eu sabia que podia contar com você. Isso é doideira da minha cabeça, esquece tudo o que eu disse... é coisa de maluco.
-Ta bem, se quer assim- ele abriu um leve sorriso no canto da boca.
-Eu acho que vou indo... Já está tarde e amanhã tem aula- disse me afastando.
-Tudo bem, amanhã a gente se vê- sorriu.
Ele me abraçou, depositando um beijo no topo da minha testa. Era como uma simples.. despedida. Eu achava que ele faria algo... diferente. Afinal, sempre que nos dispendíamos, demorávamos no mínimo 20 minutos, só nos beijos. Mas dessa vez foi direfente.
Nos separamos do abraço e eu o encarei, sorrindo. Ele fez o mesmo. Nossos rostos estavam próximos e ele apenas me deu um breve selinho.
-Até amanhã, linda- sussurrou.
-Boa noite- eu disse, simplesmente.
O fato de ele ter me chamado de 'linda' mudava definitivamente alguma coisa? Não. Nada parecia certo ali, nem um beijo ele me dera. O que estava acontecendo?
Fomos caminhando até a porta e eu não poderia deixar aquilo assim, afinal, estávamos ótimos até eu começar com as minhas idiotices. Descemos em silêncio a grande escada, até a sala. Ainda não havia ninguém lá.
Me virei para ele, parando na entrada da porta. Ele me encarou confuso.
-Você... não vai me dar um beijo de despedida?- perguntei, envergonhada.
Ele ergueu as sobrancelhas, parecendo surpreso. Mas mesmo assim tinha um leve sorriso no rosto. Se aproximou mais e selou nossos lábios, depositando suas mãos em minha cintura. Ficamos ali durante alguns poucos segundos. Ele separou o beijo sorrindo. Depois, me puxou cuidadosamente e me roubou mais um selinho, em meio a risos.
Sorri e virei as costas para ele. Em um rápido e inesperado movimento, ele colocou um de seus braços por cima do meu ombro e depositou em meu pescoço um rápido beijo. Tudo aconteceu muito rapidamente. 
-Boa noite- disse, rindo.
Ri junto a ele e fui para casa. Será que agora eu conseguiria dormir... bem? Será que tudo estava mesmo normal entre nós?


Chapter 31- Maybe?!?!...

Joe on: 
Acordei relativamente bem- comparado a como estava noite passada. Foi um pouco... estranho tudo que aconteceu, mas de maneira nenhuma eu estava triste com Demi. Confesso que fiquei um pouco confuso por causa da maneira como ela agiu. Eu achava que era seu melhor amigo- ou só amigo mesmo- e que ela confiava em mim. Eu sentia em Demi uma coisa que nunca sentira com nenhuma outra menina, uma coisa especial. Eu sabia que minha relação com ela ia muito além do que estava acontecendo no momento. Eu podia confiar nela, contar tudo e conversar normalmente- o que era difícil quando se tratava das patricinhas do colégio. Quando ela disse aquilo... senti como se eu trouxesse novamente de uma certa forma a ela a ideia de que estava sendo usada. Não era o que eu queria. O que eu desejava era que Demi e eu tivéssemos, acima de tudo, uma amizade inquebrável. Mas eu conseguiria isso. Ou talvez já tivesse conseguido? Ela simplesmente desmentiu tudo depois, como se tivesse falado sem pensar em nada. Agora eu não sabia no que acreditar. Mas não importava, as coisas entre nós ficariam mais fortes, principalmente e relação de amizade.
Levantei da cama, me espreguiçando e coçando os olhos. Fui até o banheiro, escovei os dentes e tomei uma rápida ducha, me arrumando em seguida para o colégio. Aquele uniforme era definitivamente horroroso. Antes não era assim, nós podíamos vestir o que bem quiséssemos. Mas graças a algumas meninas- que usavam saias curtíssimas- a direção decidiu impor essas breguices. Até que podia ser pior. Eu usava uma calça azul marinho, larga e uma blusa de meia-manga branca. Para que serviu isso? Nada. As meninas continuavam a 'custumizar' as peças. 
Peguei  uma fruta e peguei a chave do carro em cima da mesa.
 -Frankie!- gritei dando uma mordida na maçã- Vamos logo.
Hoje eu levaria meu irmão para a escola- que era a mesma em que eu estudava. Normalmente ele ia a tarde, mas hoje seria um dia 'diferente' para sua classe. Eu não sabia o porque- e também não interessava.
-Já estou pronto- desceu a escada animado- Acordar cedo é muito ruim- resmungou.
-Vai se acostumando, baixinho- baguncei seu cabelo.
Seguimos até o carro. Demi estava saindo de casa na mesma hora em que parei bem na sua frente.
-Vamos?- abri a janela e perguntei.
Ela apenas assentiu sorrindo. Abriu a porta rapidamente e se sentou no banco.
-Bom dia, Demi!- Frankie disse animado.
-Ah! Hoje nós teremos companhia?- ela sorriu- Bom dia, lindo- disse se virando para encará-lo.
-Agora é a minha vez- sorri- Bom dia- lhe dei um meio abraço, beijando sua bochecha, no canto da boca.
-Oi- ela sussurrou, sorrindo.
Demi on:
Porque nem um simples beijo? Joe estava parado em frente a minha casa quando eu estava saindo. Logicamente aceitei sua carona. Mas o que ele havia feito? Um único abraço e um beijo no canto da boca, foi o que eu recebi. Seria por causa de ontem? Mas não estava tudo bem quando fui embora? Tudo bem, eu tive que 'pedir' um beijo, mas no final tudo estava normal... era o que eu achava. Bem, talvez ele não tivesse me dado um beijo por causa de Frankie, que estava bem ali... É, devia ser isso.
-Joe... eu queria saber se você podia ir comigo hoje em um lugar depois da aula...
-Claro- sorriu- Onde?
-Ah... um lugar- sorri sapeca- É que eu não quero ir sozinha...
-Ta legal- concordou.
Se não fosse por Frankie, o restante do caminho teria sido realmente ... estranho. Não que Joe me tratasse mal mas... vamos dizer que eramos incapazes de manter um diálogo. Chegamos na escola e Joe foi levar Frankie até sua sala. Fui sozinha em direção ao pátio, já que hoje teríamos uma aula ao ar livre.
Cheguei um pouco apreensiva. Eu me sentia insegura sem Joe ao meu lado, como se não soubesse direito o que falar ou fazer. Fui caminhando pela grande quadra de esportes, onde ficavam algumas mesas e a arquibancada, perto do refeitório. Dei uma olhada no lugar. Tudo parecia tão... estranho. Mais diferente do que achei que fosse ser. Algumas pessoas me encararam, mas foram poucas. Eu via os grupinhos espalhados e as pessoas 'excluídas', não queria ser uma dessas. Mas que escolha eu tinha? Enfim, segui em frente, me sentando no último degrau da arquibancada. Os amigos de Joe estavam próximos de mim, Liam e David me deram um 'oi' com a mão, forçando um sorriso. Retribui. Selena nem olhava na minha cara. Isso ficava cada vez pior. Eu confesso que esses dias me ajudaram a esquecer um pouco disso, mas agora que a 'realidade' voltara, eu teria que encará-la novamente.
-Deeeeeeeeemi- ouvi um grito alto, que se aproximava- Me conta T-U-D-O.
Era Miley. Ri comigo mesma e ela se sentou rapidamente ao meu lado. Provavelmente tinha acabado de chegar. 
-Ah...- disse tímida- Sabe... eu acho que as coisas estão cada vez melhores...- sorri.
-O Liam me disse que chegaram de mãos dadas...Desembucha logo!- disse agitada.
Depois de sair com Joe, na noite do cinema, não tinha mais falado com Miley. Eu confesso que estava ocupada demais com ele. 
-Tudo bem... tudo está... perfeito. A gente saiu, e no meio do filme... ele me beijou, depois eu.. sai da sala, ele foi atrás de mim... Se declarou e... - suspirei sorrindo- Foi tão lindo, Miles!
-AAAH que romântico- sorriu- Mas... e aí? O que está acontecendo entre vocês?- ela estava impaciente.
-É a mesma pergunta que eu me faço- disse um pouco mais cabisbaixa.
-Como... como assim?- ela parecia mais calma e atenciosa.
-Ah... a gente não tem nada sério.
-Demi... isso não significa nada. Vocês não se amam?
-É você... está certa- forcei meu melhor sorriso- Quer saber? Não tenho do que reclamar... O Joe é... nossa. Eu nem sei o que falar dele... Ele me surpreendeu. Mas de uma maneira ótima, ele é incrível.
-Awwwwn eu sempre achei que formavam um casal lindo! Desde quando você tinha aquela quedinha por ele...- riu.
-É... mas naquela época eu achava que era impossível.
-Agora tudo mudou. Viu como quando o amor é verdadeiro tudo pode acontecer?- sorriu- Falando nisso, ali ele- apontou para Joe.
Ele estava falando com seus amigos. Naquela mesa onde só tinham populares, era onde Ashley também se sentava. Eu não havia decidido o que fazer em relação a ela ainda, mas deixaria as coisas rolarem naturalmente. Vi ele fazendo um toque engraçado com os meninos e confesso que fiquei um pouco incomodada quando ele foi até Ashley e a abraçou, mas pensei melhor sobre nossa conversa outro dia e sabia que eles não tinham mais nada. Mas me senti pior quando o vi junto com Selena. Aquilo era estranho, aquela sensação nunca existira, não era normal. Era ciúmes, sim, eu sabia. Mas o motivo era desconhecido. Eu os observava atentamente, o jeito como ela o encarava e sorria em sua direção... não era um sorriso normal. Parecia 'forçado' de mais. Selena também o abraçava sempre que tinha uma oportunidade. Era mais da parte dela do que dele. Mas isso era loucura, eu estava ficando louca. Talvez fosse resultado do clima estranho que estava rondando em torno de nós mas... era passageiro. Ou até mesmo só impressão minha.


Continua...
OMG! Genteeeeeeeeeeeeeeeeee *O* O QUE FOI ISSO? 22 comentários?!?!?!?! Sério, eu nem tenho palavras pra agradecer. Não tenho o que dizer :O Vocês. são. os. melhores! <3 Eu amo muuuuito vocês, mesmo! Cara... não sabem COMO eu estou! Soltando fogos de artifício! É MUITA felicidade, mesmo! *O* U-A-U.... enfim.... *-* Vocês gostaram? :D Olha... eu resolvi postar 2... por causa desses comentários, e... bom, mais tarde eu vou postar outro, okay? Eu arrumei um tempinho pra vir aqui e postar agora, porque já estava me sentindo mais que culpada por todos esses comentários lindos e por não ter postado! É que de ontem pra hoje eu não tive tempo nenhum :/ Mas eu ainda quero falar com cada um de vocês :( É que ta complicado :( Mas... hoje a noite... se essas pessoas que estão aqui em casa me derem privacidade eu respondo! =*D OBRIGADAAAAA, fofuras da mamãe! *o* Vocês querem cenas quentes, querem hot, né?! To sabendo.... hehehehe mas esperem um pouco... Daqui pra frente... quem sabe... :P Hahahaha amo vocês! 

Vamos comentar MUITO de novo, tudo bem? Eu vi alguns MUITO desesperados MESMO! E eu AMO isso, fico MALUCA de tanta alegria! Vocês não tem noção... *-* Enfim.... eu amo isso tudo e vocês <3 <3 <3 Continuem assim, por favor! Obrigada! :3 #MuchLove <3 
E.... fiquem tranquilos.... tudo está bem entre Joe e Demi :) Hehe :P

P.S.: Dallas, pode me chamar desses nomes... fofos hehehehe Me chame do que quiser, linda! *o* 

CAROL ESTÁ DE VOLTAAAAAAAAAAAAA *o* ---TODOS PULAM-- Hahahahaha <3 Te amo, linda! 
A Bia sumiu :( Onde você está, bb?? :(
Caroline::::::: Eu vou divulgar, amor! Ainda hoje se eu conseguir! Juro que não vou esquecer! ;')

Beijemis, Bruna <3 <3 <3 

16 de mai de 2012

Be Yourself- Chapter 29 -- Especial Jemi ¹ -- *Parabéns, anjo*


Chapter 29- Hey, I love you...

Demi on:
Quando cheguei em casa foi realmente complicado. Eu queria correr e abraçá-lo, me desculpar por tudo... mas não tinha a coragem suficiente. Tomei um remédio pois estava com muita febre e subi para o meu quarto. Não dei atenção a ninguém, eu queria ficar sozinha. Me joguei na cama, deixando que as lágrimas rolassem. Eu sabia que era besteira chorar, mas eu não tinha outra forma de colocar tudo isso para fora.
Ele tentou me ligar diversas vezes, mas não consegui atender. Eu queria ter dado alguma satisfação para ele, mas quando ouvi a campainha de casa tocar, meu coração parou. Vi pela janela que era ele- cheio de sacolas- parado em frente a porta conversando com minha mãe. Desci a tempo de ouvir ele perguntando se eu estava melhor. Sorri ao ver que ele se preocupava comigo. Fiquei parada na escada, observando tudo. Talvez conseguisse criar alguma coragem para falar, mas quando ele me viu, nossos olhares se fixaram e logo depois ele desviou, virando as costas e saindo andando. Corri de volta para o meu quarto, fazendo de tudo para adormecer o mais rápido possível. Isso obviamente não funcionou. Ainda eram 17:30 e eu não estava com o mínimo sono. 
Me levantei da cama, respirando o mais fundo que conseguia. Tentei controlar meu coração, mas quando parei em frente a sua casa, isso se tornou impossível. Levei meu dedo até a campainha, antes que perdesse a coragem. Minha mãe havia me entregado as sacolas e falado sobre a visita de Joe- como se eu não soubesse de nada- mas não dei a mínima atenção a ela, sai correndo de casa na direção da dele.
Depois de alguns minutos, seu irmão menor, Frankie, abriu a porta.
-Olá, Demi- ele sorriu, fiz o mesmo.
-Oi, Frankie!- me abaixei na sua frente- Tudo bem com você?
-Sim! E você? Parece triste- era impressionante como as crianças tinham esse dom.
-É só impressão sua, estou ótima- menti- Só um pouco cansada.
-Você veio assistir o filme com a gente? Já está quase no final.
-Na verdade, eu queria falar com o Joe- disse- Ele também está vendo o filme?
-Não. Pode ir lá, está no quarto dele. Trancado desde quando chegou...- fez uma careta- Mas tudo bem, ele disse que só precisava descansar- sorriu.
-Ah sim. Então eu vou falar com ele- Frankie me deu espaço para entrar- Obrigada, lindo.
Ele abriu um sorriso imenso quando ouviu isso. Ri comigo mesma e subi as escadas. Provavelmente estavam todos na sala de filmes, pois eu não via ninguém. 
Parei pensativa quando dei de cara com a porta de seu quarto. Não tinha outro caminho, eu já estava ali, teria que resolver tudo. O pior de tudo era que eu não havia pensado no que faria, mas eu não podia ficar longe dele por muito tempo. Pensaria na hora no que fazer.
-Entra- ele disse quando eu bati.
Coloquei minha mão sobre a maçaneta, fechei os olhos e soltei o ar pesadamente. Contei até três e abri a porta.
Ele estava deitado na cama, mexendo no laptop. Não mexeu um músculo quando eu entrei, provavelmente achou que era sua mãe ou alguém da casa.
-Ér... a gente pode conversar?- perguntei ainda parada na porta.
-Demi?!- me encarou surpreso- Claro, entra- sorriu.
Dei um passo a frente e fechei a porta. Caminhei lentamente até sua cama. Ele se sentou e eu fiz o mesmo.
-Então...- ele disse.
-Eu... não sei ...- ri sem humor, abaixando a cabeça.
-Você me pediu um tempo pra pensar, Demi...- disse calmo.
-Eu sei, mas...- respirei fundo- Não consegui pensar direito... eu não sei o que fazer- confessei.
-Você quer que eu te ajude?!- perguntou surpreso, rindo.
-Não, Joe...-sussurrei- Eu só...- me sentia uma completa idiota.
-Demi, não me leva a mal mas... porque veio aqui?- ele perguntou amigavelmente- Quer dizer, você me pediu um tempo, pediu pra ficar sozinha e nem sequer falou comigo direito... veio aqui por algum motivo- falou obviamente.
-Eu vim porque não conseguia mais ficar longe de você- confessei tímida.
-Mas... e aí? Depois de tudo que disse agora você vai agir como se nada tivesse acontecido?
-Não Joe... mas a ideia de ficar triste com você não me fez bem... eu precisava te dar alguma satisfação.
-É exatamente isso que eu quero, Demi... uma satisfação- riu sem humor.
Abaixei a cabeça. Eu estava triste pelo que estava acontecendo. Estava me sentindo uma completa idiota e tudo que ele falava só fazia essa sensação aumentar. Meus olhos já começavam a pesar e eu não conseguia entender porque realmente estava ali.
-Ei, não me leva a mal- ele acariciou meu rosto, provavelmente percebendo- Desculpa- pediu- Eu não falei por mal. É que... eu só quero entender o que vai acontecer, Demi.
-Olha, eu... quero te pedir desculpas pelo jeito que eu agi, eu... eu te perdôo, Joe, por... aquilo. De verdade- forcei um sorriso- Não vale a pena brigar por isso... você estava certo, é besteira minha.
-Não se desculpa- pediu- Eu não devia ter falado com você daquele jeito. Eu fui grosso com você, além de ter falado coisas que não eram necessárias. É que... eu sinceramente queria que aquilo não fosse um problema enorme, Demi.
-Eu... eu só estava nervosa. Não foi nada de mais, não importa mais. Foi uma coisa... do momento. Não fiquei triste com você.
-Então porque estava chorando?- se ajoelhou na minha frente, segurando minhas mãos.
-Eu só... fiquei confusa... sei lá.
-De qualquer forma, a culpa foi toda minha. Eu não fiz por maldade e te respeito muito, mas eu sei que eu invadi a sua privacidade, eu não tinha esse direito. Me desculpa por isso, mesmo que nada vá tirar o que eu fiz, eu peço desculpas sinceras e também por tudo que eu falei. Você tem o seu tempo e eu entendo isso.
-Eu sei que sim- abri um grande sorriso.
Ele fez o mesmo e envolveu com seus braços, um abraço apertado e confortante. Tudo o que eu precisava. Ele acariciava a lateral do meu corpo, com muita calma e suavidade. Suas mãos macias me acalmavam.
-Hey, eu te amo, ta?- disse com um sorriso bobo no rosto, se afastando um pouco para me encarar.
-Eu te amo mais, Joe- agarrei seu pescoço sorrindo, lhe dando mais um grande abraço.
Bom, imagine a cena. Eu estava sentada na cama dele. Joe se encontrava de joelhos bem na minha frente, encostado nas minhas pernas. Quando me joguei em seus braços, fui com tudo e acabamos caindo no chão. 
Ríamos juntos até percebemos o quão próximos estávamos. Eu estava por cima dele, e nossos corpos juntos, completamente juntos. Joe levou suas mãos até meu rosto, segurando-o entre elas. Nossos olhares se encontraram e aos poucos as risadas foram diminuindo. Ele mordeu levemente meu lábio inferior, fazendo com que eu soltasse um grande suspiro. Apoiei minhas mãos em sua nuca, iniciando um beijo intenso, que trazia todas aquelas sensações e matava as saudades.  


Continua...
Oláááá! Bom, não vou escrever muito porque tenho um compromisso bem agora, mas postei pra não deixar vocês mais curiosos e pra Dallas não morrer! :O Hahahaha. Espero que tenham gostado! Amo todos vocês e obrigada pelos comentários!


COMENTEM! :)


Aaaaaawn meu anjinho fez 14 aninhos ontem! *.* E eu não estou com tempo agora, mas só pra não passar em branco.... PARABÉNS, ANJINHO! --- atrasado-- Mas não importa. É só pra dizer que te amo pela.... 8904869811786378 vez <3 


Beijemis, Bruna *.*

13 de mai de 2012

Be Yourself- Chapter 28


Chapter 28- Strange... 

Joe on:
O clima não podia estar pior. Era estranho o fato de tudo ter virado de cabeça para baixo tão repentinamente- já que estávamos tão bem de manhã. Eu nunca quis que ela se sentisse mal, incomodada ou... desrespeitada. Era o que eu menos queria. Não fiz por mal, eu a respeitava mais do que já respeitei qualquer um. 
Eu ainda achava que ela fazia uma grande confusão por algo simples. Mas levando em conta que se tratava da Demi, nada era simples para uma discussão. Ela se incomodava facilmente com as coisas e eu não gostava muito disso, mas ela era assim e eu entendia- até certo ponto. 
Eu havia me desculpado várias vezes, mas nenhuma parecia suficiente para ela. Eu não ficaria implorando perdão, afinal queria que ela entendesse que nem sempre temos que transformar tudo em uma confusão e esperar que alguém se desculpe. Nunca pensei que se transformaria em algo assim. Eu a observei por puro desejo, mas nada fora do comum. Se ela estivesse assim em meus braços, eu apenas faria alguma coisa se ela quisesse. Mas agora as coisas estavam estranhas e nenhum de nós conseguia fazer ou falar nada. Eu não seria o primeiro. Ela queria pensar, ficar sozinha e eu a deixaria fazer o que quisesse. Depois conversaríamos.
Seguimos em silêncio até o carro. Coloquei suas sacolas no banco de trás. Enquanto isso ela ainda se aproximava o veículo. Sim, estávamos andando afastados, e eu não entendia muito bem o porque de manter uma distância tão grande. Abri a porta para que ela entrasse. Se aproximou de cabeça baixa e entrou. Fui para o lado do motorista e fiz o mesmo. 
Todo o caminho foi realmente muito ruim. Estávamos parados em um transito infernal- ainda longe de casa- e nós dois estávamos quietos. Olhei para o lado e Demi estava bem encolhida, com os braços cruzados, parecendo estar com muito frio. Ela tremia levemente e seus olhos estavam marejados- mas ela não chorava. 
Verifiquei se o ar estava muito forte- eu não estava com frio-, ele estava na primeira potência. Desliguei e esperei um pouco, ainda sem falar nada. Passaram-se alguns minutos, a encarei novamente. Ela continuava na mesma posição, agora um pouco mais encolhida e também tremia mais.
-Demi, você ta com frio?- perguntei calmo.
Ela não falou nada. Apenas assentiu, ainda sem me encarar. Fechou os olhos com força e os abriu novamente, em um rápido movimento.
Ainda estávamos naquele chato engarrafamento, o transito parecia não andar, os carros não se mexiam. Levei uma de minhas mãos calmamente até sua testa. Ela pareceu se assustar, mas não fez nada, apenas ficou quieta. Ela estava muito quente.
-Você está fervendo- disse deslisando minha mão até seu pescoço- Com certeza está com febre.
Ela pareceu não se importar. Nem se quer virou a cabeça para me olhar. Se não estivéssemos dentro do mesmo carro, eu poderia até desconfiar se ela realmente me ouvia. Afastei minha mão de seu rosto e peguei um casaco meu que estava no banco traseiro. 
-Toma, veste isso até chegar em casa. Eu já desliguei o ar- avisei.
Coloquei meu casaco sobre ela, que logo se agarrou a ele. Aproveitou para esconder seu rosto. Os carros começaram a andar e levei minhas mãos até o volante novamente, fixando meu olhar na rua- mesmo virando para encará-la as vezes.
O resto do caminho foi ainda pior. Não pronunciamos uma única palavra, além disso, eu estava preocupado com ela. Queria saber se estava melhor ou ainda continuava quente... mas não tinha condição de cuidar dela, nós não conseguiríamos. Não agora.
Chegamos na entrada do condomínio e ela se endireitou no banco. Estava bem abraçada ao meu casaco e eu ficava me imaginando ali... no lugar dele. Olhe a que ponto cheguei... nesse momento, só desejava estar no lugar do meu casaco! Isso podia parecer ridículo, mas eu daria tudo para estar abraçando-a agora.
Parei em frente a sua casa. Antes de sair, ela respirou fundo algumas vezes, levando suas mãos até o rosto, esfregando os olhos. Me senti péssimo por isso. Ela abriu a porta e virou para me encarar.
-Obrigada pelo casaco- ela agradeceu quase que com um sussurro, mesmo assim estava seca, séria. Tirou ele de seus ombros para me entregar.
-Não, pode ficar- disse rapidamente. Ela me encarou e o agarrou mais firmemente - E toma um remédio, você está muito quente- avisei. Ela pode pensar que não, ou até desejar mas... sim, eu havia visto o pequeno sorriso em seus lábios.
-Então eu... - fez uma pausa antes de sair- A gente conversa depois.
Apenas assenti e ela saiu apressadamente do carro, entrando em casa. Assim que a vi passar pela porta, me lembrei de suas compras, que estavam no carro. Seria uma péssima ideia entregá-las agora, além disso, era uma desculpa para vê-la de novo.
Estacionei o carro na garagem de casa, peguei as compras de Demi no banco de trás e entrei em casa. Todos estavam reunidos na sala de filmes, inclusive Nick- o que não era nada comum-, estavam assistindo uma comédia, comendo pipoca e rindo muito. Eu não tinha clima para rir agora. 
-Boa tarde- falei desanimado abrindo a porta da grande sala.
-Boa tarde, meu filho! Como foi o passeio?
'Pior impossível' pensei.
-Normal- acabei dizendo- Vou subir pra descançar um pouco- disse antes que me fizessem alguma outra pergunta sobre Demi.
-Não quer ver o filme?- Frankie perguntou.
-Não- forcei um sorriso para ele- Estou cansado.
Então subi a escada e entrei no meu quarto. Pela porta da sacada eu conseguia ver Demi sentada na cama, abraçando os joelhos e com a cabeça escondida entre eles. Fui rapidamente até minha varanda e fechei a porta de vidro. Provavelmente ela se assustou com o barulho e levantou a cabeça rapidamente para me encarar. Ficamos os dois sem reação nenhuma durante um tempo. Resolvi então fechar a cortina e assim o fiz.
Preferi não pensar muito no assunto, porque sabia que, no final, eu iria correndo para ela e implorando perdão. Não era o que eu queria. Deixaria ela resolver o que queria fazer.
Decidi tomar um banho, para tentar relaxar um pouco. Eu ainda estava um pouco estonteado por como vira Demi 'vestida' e talvez um pouco de água gelada resolvesse isso. Fiquei alguns minutos apenas tentando me acalmar, deixando que a água caísse sobre meu corpo. Era impossível não pensar em Demi. Todos os momentos, como eu fui capaz de estragar as coisas de uma maneira não infantil e idiota, o jeito como ela falou... tudo me fazia sentir muito culpado. Mas o que eu podia fazer? 
Coloquei uma roupa leve e me joguei na cama, pegando o violão para tentar me distrair. Já haviam se passado algumas horas desde que havíamos voltado do shopping e Demi não havia dado nenhuma notícia. Eu queria saber ao menos se ela estava bem. Uma hora ou outra teríamos que conversar.
Peguei meu celular e decidi ligar. Chamou, chamou e ninguém atendeu. Tentei mais algumas vezes e nada. Eu tinha certeza de que ela estava me evitando. Mas eu precisava saber como ela estava.
Peguei as sacolas e fui em direção a sua casa. Sua mãe atendeu a porta.
-Joe! Que bom te ver- ela sorriu me dando um abraço.
-Tia Di, a Demi esqueceu isso no meu carro... será que pode entregar a ela?- pedi mostrando as sacolas.
-Ah, Demi sempre com a cabeça em outro lugar- revirou os olhos, rindo- É claro querido, obrigada. Não quer você mesmo entregar? Talvez ela queira falar com você, porque comigo ela não troca uma palavra desde que chegou. Aconteceu alguma coisa?
-Não... ela só deve estar cansada. Não quero incomodar. Ela está melhor?- perguntei preocupado.
-Da febre? Sim... foi coisa passageira- sorriu.
-Ah sim... que bom- forcei um sorriso- Então... amanhã eu converso com ela. Boa noite, tia.
Quando estava prestes a me virar, vi Demi no topo da escada. Ela estava com um casaco grande e os olhos vermelhos. Me encarava sem nenhuma expressão. Desviei o olhar e segui em frente, abaixando a cabeça e respirando fundo. Sem mais olhar para trás.

Continua...
Hey! :) Dallas, meu amor, postei! O que aconteceu? Porque o dia das mães não está... 'bom'? :( Fiquei triste :( Mas espero que tenha ajudado :( Gostaram?? :) Espero que sim! Obrigada a todos! Hehe amo vocês <3 Eu decidi postar mais um... por todos vocês mas fiquei meio... preocupara por causa da Dallas :( Enfim... fica como um 'especial' pelo dia das Mães! Nossas MamaJonas e MamaLovato * Denise e Dianna*! :)  




COMENTEM! PLEASE! *.*


Beijemis, Bruna *.*